10 obras-primas do Museu Púchkin para acessar do celular

Aplicativo Smartify anunciou colaboração com o maior museu de artes da Rússia.

Aplicativo Smartify anunciou colaboração com o maior museu de artes da Rússia.

Museu Púchkin de Artes
O aplicativo Smartify anunciou uma colaboração com o maior museu da Rússia para manter você atualizado sobre algumas das maiores obras de arte do país.

No final de setembro, anunciou-se que o aplicativo britânico Smartify estaria disponível em muitos dos principais museus mundiais, entre ele, o Museu Estatal Púchkin de Artes.

O aplicativo permite que seus usuários aprendam mais sobre determinadas pinturas e obras de arte, tanto em museus como on-line. Com a inclusão de 28 obras-primas do Museu Púchkin no Smartify, o Russia Beyond selecionou 10 das mais incríveis delas.

1. Retrato de um velho (retrato de faium, segunda metade do século 1)

Os chamado “retratos de faium” são os primeiros exemplares descobertos entre as pinturas de retratos. Esta pintura especificamente foi comprada na cidade egípcias de Luxor por um colecionador russo.

2. Artista de Constantinopla do século 15, Cristo, o Pantocrator

O artista que pintou este ícone no segundo quadrimestre do século 15 é desconhecido, mas a obra remonta ao tempo de Constantinopla e do Império Bizantino. Acredita-se que seu autor possa ser Angelus, que trabalhou em Creta por volta do ano de 1430.

3. Sandro Botticelli, Anunciação da Virgem Maria. Arcanjo Gabriel

Estas duas imagens pertencem aos pintor do início da Renascença Sandro Botticelli. Elas são parte de uma composição que mostra o Arcanjo Gabriel visitando a Virgem Maria para proclamar que ela dará à luz ao filho de Deus. Ele segura um pequeno lírio, o símbolo da pureza.

4. Joachim Beuckelaer, No Mercado

Artistas holandeses e flamengos implementaram a pintura de paisagens e de gênero durante o século 16. Joachim Beuckelaer focava em camponeses como tema de suas pinturas, mostrando cenas domésticas.

5. Peter Paul Rubens, Bacanal

Durante meados da década de 1610, Rubens começou a trabalhar na pintura de Bacanal, que não terminou até sua morte. Ela é baseada no mito de Dionísio, Bacantes e Sátiros.

6. Frans Snyders, Natureza Morta com Cisne

A generosidade da natureza e sua renovação eterna são a principal temática desta obra. A abundância de bens terrenos parece inexaurível. Um serviçal traz uma tigela de figos, o símbolo da fertilidade. As aves simbolizam o ar; a fruta, a terra; os moluscos, a água.

7. Pieter de Hooch, A manhã de um jovem

Nesta pintura, o artista retrata o quarto de um oficial dormindo durante a manhã. Talvez mães do mundo inteiro se identifiquem com esta obra!

8. Bernardo Strozzi, Alegoria da Impermanência (Velha Faceira)

A imagem representa uma variação de um tema do norte da europa predominante no século 17 intitulado “Vanitas”, uma alegoria da impermanência e da transitoriedade da vida terrena, da glória, da beleza.

9. Giovanni Antonio Canal, Retorno do Bucintoro ao Molo pelo Palácio Doge

Esta margem de Veneza é retratada no dia da Ascensão, a principal festa da República Veneziana. A pintura foi criada entre 1728 e 1729 por ordem do embaixador francês na república.

10. Jacques-Louis David, Andrômaca de luto por Hector

O conceito desta pintura de 1783 é tirado da Ilíade de Homero. O artista retrata Andrômaca em luto com o filho de seu marido, Hector, que foi morto em um duelo com Aquiles perto dos muros de Troia. É um esboço terminado para a pintura em exibição no Louvre, em Paris.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais