5 novas caras no balé russo

Palco pode ser competitivo e cruel, mas essas estrelas nasceram destinadas.

1. Olêsia Nôvikova

Olêsia em “Giselle”, no Teatro Marínski.

Ela se uniu à trupe do Teatro Marínski no topo da carreira de Uliana Lopatkina, Diana Vichneva e Svetlana Zakharova – a competição era intensa!  Só para começar, Nôvikova não se destacava pelo talento ou virtuosidade.

Mas ela praticou incansavelmente e aprendeu a se adaptar a cada coreógrafo. No final, foi premiada por um solo difícil em “The Vertiginous Thrill of Exactitude”, William Forsythe, coreografado por Aleksêi Mirôchnitchenko.

Com apenas 33 anos de idade, ela já tem três filhos, mas continua jovial. Quando interpreta Giselle, Raimonda e outras personagens, Nôvikova parece desafiar a gravidade. Agora, ela está no topo da cena do balé em São Petersburgo.

2.Oksana Kardash

Kardash em variações de Don Quixote Grand Pas.

Sua trajetória não é nada comum. Oksana estudou balé na Universidade Natália Nesterova, ao invés de uma isntituição acadêmica. Assim que se uniu ao Teatro Musical Acadêmico de Moscou Stanislavski e Nemirovitch-Dantchenko, ela foi lançada ao olhar do público.

Ela entrou na companhia em um ponto de mudanças drástivas, quando a direção mudava enquanto os balés Neumeier, Duato e Kilian eram encenados.

Kardash, que nunca se destacou pelo treinamento clássico, chamou a atenção do público de outras maneiras. Sua coordenação, cuidado, energia e liberdade foram amplamente glorificados.

Com a chegada dos diretores Kenneth McMillan e Natalia Makarova, Kardash ganhou solos em “Mayerling,” “Manon” e “La Bayadère”, provando ser uma das melhores bailarinas do país.

Ela ganhou o papel de princesa Odette em “Lago dos Cisnes” e tornou-se cada vez melhor desde então.

3. Polina Buldakova

Budalkova faz um pas de deux com Nikita Tchetverikov.

Ela aceitou o papel de primeira bailarina no Teatro de Ópera e Balé de Perm há apenas dois meses, mas suou por ele por seis anos.

Ela se uniu à companhia após se graduar na Escola de Coreografia Estatal de Perm, onde estudou com outros talentos e passou a mostrar seus movimentos leves e elegantes e as mãos “falantes”.

Ela tem uma relação criativa com o diretor artístico Aleksêi Mirôchnitchenko, que transformou Perm em um centro da coreografia europeia.

O papel de Buldakova em “Lago dos Cisnes” e “A Bela Adormecida” lhe rendeu diversos admiradores, enquanto seu Calliope em “Apollo” e o solo em “Les Patineurs” mostrou também seu potencial para atriz.

4. Ekaterina Sapogova

Sapogova recebeu uma chuva de premiações.

Enquanto ensaiava para um papel pequeno de Julieta em “Romeu e Julieta”, sob direção de Viatchesláv Samodurov no Teatro de Iekarimburgo na temporada passada, Sapogova não era carta marcada para virar primeira bailarina.

Ela tinha apenas 20 anos de idade e nunca tinha chegado perto de um papel principal, considerada “baixinha” demais.

Mas logo ela mostrou seu potencial e recebeu uma enxurrada de premiações, como a “Golden Mark”.

5. Aliôna Kovaliôva

Kovaliôva faz um pas de deux do balé Raimonda.

Kovaliôva se graduou na Academia Vagânova no ano passado, mas já virou sensação durante uma turnê em Nova York em um festival dedicado ao balé “Joias”, do coreógrafo George Balanchine, onde liderou o terceiro ato, “Diamantes”.

“Tudo nesta performance ficou ofuscado pelo esplendor arrebatador de Aliôna Kovaliôva no papel principal... Ela é alta, escura, esbelta, bela. Ela é tecnicamente impressionante, mas você mal nota, porque ela é tão triunfante, tão gentilmente segura, tão obviamente feliz em estar dançando”, escreveu o crítico Robert Gottlieb sobre a estreia.

Neste outono, Moscou verá Kovaliôva em “Lago dos Cisnes”. E é como se ela tivesse nascido especialmente para este balé, com seus longos e graciosos braços e sua figura alta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais