Cientistas encontram gelo mais antigo do planeta na Sibéria

Alfred-Wegener-Institut / Thomas Opel
Descoberta permitirá estudar e reconstruir condições climáticas e ambientais de eras passadas.

Uma equipe internacional de pesquisadores encontrou o permafrost mais antigo do mundo na Sibéria. A camada de gelo, localizada perto da aldeia siberiana de Batagai, surgiu a 50 metros de profundidade do solo há cerca de 650 mil anos. 

"Isso significa que essa camada de gelo sobreviveu a vários períodos glaciais e interglaciais", diz o geógrafo Dr. Thomas Opel, do Instituto Alfred Wegener.

A descoberta é relevante porque mostra que, mesmo durante os períodos mais quentes, o permafrost não descongela totalmente. Por exemplo, o permafrost em Batagai aparentemente sobreviveu a uma fase particularmente quente, há cerca de 130.000 anos, quando a temperatura esteve quatro a cinco graus mais quente no verão ártico do que hoje.

De acordo com o doutor em geografia Aleksandr Fiódorov, no caso de uma nova aceleração das mudanças climáticas e do degelo do permafrost, quase 40% da região estará em perigo.

A equipe de cientistas alemães, russos e ingleses também mediu os isótopos de certos elementos químicos do permafrost. Os isótopos são átomos que contêm diferentes números de nêutrons e, portanto, têm pesos diferentes.

Segundo os cientistas, o permafrost de Batagai permitirá estudar e reconstruir as condições climáticas e ambientais de eras passadas. O projeto científico, patrocinado pela Leverhulme Trust, com sede no Reino Unido, investigará sob quais condições climáticas o permafrost siberiano se formou, como permaneceu estável ou se degradou. 

LEIA TAMBÉM: O que pode acontecer se o permafrost derreter?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies