Aquecimento global pode fazer Terra regredir 35 milhões de anos, diz cientista russo

National Aeronautics & Space Adm/METD2/Global Look Press
Caso a atual emissão de gases de efeito estufa antropogênico se mantenha, condições climáticas no planeta serão semelhantes à época dos mamíferos gigantes.

A temperatura da Terra vem aumentando paulatinamente devido às emissões de gases de efeito estufa, de modo que nos próximos anos ela atingirá os índices que regiam nosso planeta há 35 milhões de anos, segundo Aleksandr Tchernokulskiun, pesquisador associado sênior do Instituto de Física Atmosférica da Academia Russa de Ciências.

Em discurso no festival de cinema ecológico ‘Ecochaska’, Tchernokulskiun afirmou que diferentes cenários são possíveis conforme a temperatura global subir.

“No caso do cenário 'tudo continua igual' [a quantidade de gases de efeito estufa antropogênico não diminuir], o que está em curso, a temperatura fará o planeta recuar 35 milhões de anos”, disse o cientista russo, citado pela agência de notícias RIA Novosti.

No entanto, a temperatura global é apenas um dos fatores climáticos e por isso não há como falar sobre a possibilidade de rinocerontes gigantes, por exemplo, reaparecerem na Terra.

“Todo o sistema seria diferente. A vegetação seria completamente diferente, assim como a distribuição diferente dos continentes. Na época não havia muitas geleiras, o nível do oceano era diferente, a composição química da atmosfera era outra”, acrescentou.

De acordo com o site do Instituto Geológico de Pesquisa Científica de Sverdlovsk, 35 milhões de anos atrás, na era Paleoceno, surgiram na Terra os ancestrais dos ungulados, protozoários e marsupiais; e muitos representantes dos gêneros animais modernos apareceram no início do Eoceno. Nesse período, formas de vida terrestre atingiram suas dimensões máximas, com o surgimento de rinocerontes gigantes; no ambiente aquático, o robalo conquistou todas as bacias marinhas e de água doce.

LEIA TAMBÉM: Por que a Sibéria está esquentando mais rápido do que qualquer outro lugar do planeta?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies