M-55, o avião de reconhecimento soviético que bateu recorde de quase 22 km de altitude

Domínio público
Modelo, conhecido como Mystic pela Otan, nasceu da necessidade de abater os balões de reconhecimento ocidentais que espiavam a URSS nos anos 1980.

O projeto M-55 era inicialmente conhecido como M-17. O grupo de engenheiros soviéticos que o criou, em 1978, procurava soluções para interceptar balões de reconhecimento em grandes altitudes.

Em 28 de março de 1990, o M-17 ‘17401’ pilotado por Vladímir Arkipenko atingiu o recorde de 21.830 metros de altitude – marca esta que permanece imbatível na classe de aeronaves de 16 a 20 toneladas. Fato é que o M-17 registrou um total de 12 recordes da Federação Aeronáutica Internacional (FAI), dos quais cinco jamais foram superados até hoje.

O interceptor de balão de ar quente M-17 foi substituído em 1987 pelo M-17RN, também conhecido como M-55 Geofísica, que foi designado pela Otan como Mystic-B. O primeiro deles partiu para os céus em 1988, mas, com o colapso da União Soviética, o projeto acabou sendo paralisado. Em 1994, a produção foi interrompida, com um total de 5 aeronaves concluídas para realizar missões de reconhecimento.

Em 21 de setembro de 1993, o piloto Víktor Vasenkov, a partir do aeródromo de Akhtubinsk, bateu um novo recorde de sua classe, de 21.360 metros. O M-55 registrou um total de 15 recordes da FAI – dos quais permanece invicto até hoje.

Existem várias unidades do M-55 Geofísica em serviço para condução de pesquisas. Um deles participou de um estudo da estratosfera sobre o Ártico em 1996 e 1997.

VEJA TAMBÉM: Em teste, nova avião comercial russo MC-21 atravessa barreira de água

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies