Tudo sobre o Sumrak, o fuzil de precisão mais poderoso do mundo

Lobaev Arms
Capaz de perfurar trilho de três centímetros de espessura, arma revolucionária russa não pode ser usada em combate e é considerada um brinquedo de luxo.

Na cidade de Tarusa, localizada 140 quilômetros a sul de Moscou, fica um pequeno prédio que parece simples e não desperta muito interesse. No interior, entretanto, está a fábrica Lobaev Armas, que produz os fuzis de precisão mais poderosos do mundo.

A empresa ganhou fama mundial no ano passado, quando apresentou pela primeira vez um fuzil de precisão considerado o mais poderoso do mundo, o SVLK-14S Sumrak (em português, "crepúsculo").

Segundo um dos engenheiros que desenvolveu a arma, Iúri Sinitchkin, o Sumrak não foi criado para ser usado em operações militares e dificilmente poderia suportá-las. "O fuzil foi criado para esportes, para uso a distâncias ultra-longas. É um brinquedo de luxo", diz Sinítchkin.

Os principais pontos do Sumrak são sua simplicidade e precisão. "É uma arma muito rígida, com barril reforçado. Ao contrário de todos os seus análogos, ela não tem carregador e só pode ser carregada com uma única bala, como as armas de longo alcance de grande calibre do período da Segunda Guerra Mundial", explica Sinítchkin.

O Sumrak já bateu vários recordes mundiais disparando a 4,2 quilômetros de distância do alvo.

O SVLK-14S Sumrak dispara balas .408 CheyTac de calibre 10.36x77mm, que saem do barril a uma velocidade de 900 metros por segundo. “Esse tipo de bala pode perfurar um trilho de três centímetros de espessura. Nenhum colete à prova de balas pode suportar essa força", diz o engenheiro.

Devido ao barril, feito do alumínio de alta qualidade, a arma pode disparar em temperaturas entre 40 graus Celsius negativos e 60 graus Celsius positivos. 

Segundo analistas militares, as principais desvantagens da arma são seu peso, de mais de 10 quilos sem as miras, e seu preço, que ultrapassa os US$ 37 mil.

LEIA TAMBÉM: Qual é melhor: o russo AK-47, ou o norte-americano AR-15? A resposta não é simples

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies