Pesquisadores russos desenvolvem nanofibras que podem deter partículas do tamanho do coronavírus

Reuters
Material deve ser usado na produção de máscaras de proteção. Após o término da epidemia, as nanofibras poderão ser aplicadas em sistemas de purificação de água.

Um grupo de cientistas da região de Krasnodar, no sul da Rússia, inventou um material de nanofibra para a produção de máscaras médicas e filtros descartáveis para respiradores, que, segundo os desenvolvedores, é mais eficaz para prevenir a disseminação do novo coronavírus do que o tecido normal.

“Iniciamos nossa pesquisa no final de março: partículas de fuligem de querosene têm o mesmo tamanho do coronavírus. Testamos o tecido normal usado na produção de máscaras e nossas nanofibras em termos de absorção”, disse Dmítri Lopatin, um dos representantes da equipe. “Analisamos duas aplicações possíveis de nossas nanofibras para prevenção do coronavírus: produção de máscaras – já negociamos com dois fabricantes –, ou também podem ser usadas em filtros de respiradores descartáveis.”

Segundo Lopatin, essas nanofibras são mais eficazes em filtrar as partículas do tamanho do coronavírus do que o tecido. Além disso, após o término da pandemia, as nanofibras poderão ser usadas em sistemas de purificação de água.

O mesmo grupo já havia desenvolvido um sistema de painel solar transparente no qual o Ministério de Energia dos Emirados Árabes Unidos manifestou interesse.

LEIA TAMBÉM: A evolução das roupas de proteção biológica do século 17 até os dias de hoje

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies