Tecnologia russa faz retratos de Dostoiévski e Mona Lisa se mexerem

Graças a redes neurais, pinturas e fotografias podem se mover, conversar e sorrir.

Desenvolvedores TI russos que trabalham no centro de pesquisa de Skôlkovo e da Samsung revelaram uma nova tecnologia que faz fotos e retratos agirem como pinturas de Harry Potter – imagens estáticas são transformadas em figuras móveis.

Assim, afirmam os especialistas, é possível, enfim, “saber como a Mona Lisa se sente, em vez de esconder as emoções por trás de seu eterno sorriso misterioso”.

Segundo Igor Zahkarov, chefe da equipe de desenvolvedores, o algoritmo, ou rede neural, foi “treinado” em uma grande quantidade de fotos de pessoas.

“Cada foto tinha uma ‘máscara’ especial programada que marcava as bordas do rosto e as expressões faciais básicas. Depois de acumular exemplos suficientes, a rede neural foi capaz de imitar as expressões e aplicá-las a qualquer tipo de retrato”, explica.

Embora alguns pareçam um pouco assustadores, as cabeças “falantes” lembram as pessoas reais nos retratos – como é o caso deste de Fiódor Dostoiévski.

No entanto, como sempre acontece com esse tipo de progresso tecnológico, ele também pode ser usado para fins nefastos.

De acordo com o site SamMobile, caso sejam aperfeiçoados e caíam em mãos erradas, esses algoritmos poderiam ajudar a criar vídeos falsos com “potencial de destruir indivíduos e comunidades”.

VEJA TAMBÉM: Russo cria tecnologia contra ‘Big Brother’ nas grandes cidades 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies