7 blindados soviéticos da Segunda Guerra que parecem ter acabado de sair da fábrica

Fãs de reconstruções históricas e tecnologia militar viram criança assistindo ao vivo a esses veículos que, apesar de parecerem novos, resistiram a Hitler.

T-34 

Talvez o mais admirado blindado soviético. A existência de exemplares em boas condições permite vê-los em lugares e eventos como no desfile do Dia da Vitória:

O T-34 combinava em si uma boa proteção da blindagem com armas potentes. Pelo menos até meados de 1942 poucos eram os adversários que conseguiam lhe fazer frente. Não era raro os T-34 continuarem operacionais depois de serem várias vezes atingidos. Com o aparecimento, em 1943, de equipamento pesado no lado do inimigo, o T-34 foi também submetido a remodelação. A sua blindagem foi reforçada, um quinto membro foi acrescentado à tripulação e o tanque ganhou um novo canhão de 85 mm, capaz de causar estragos em praticamente todos os tanques alemães. Os T-34 continuaram sendo usados em conflitos até os anos 1990 na guerra da Iugoslávia.

Clique aqui para saber mais sobre o T-34.

ISU-152

Embora tenha quase 80 anos, este destruidor de tanques não envelhece:

Nascido em agosto de 1943, o destruidor de tanques IS-152 foi capaz de eliminar grandes tanques alemães, como o Tiger ou o Elefant, e por isso recebeu o apelido de Zveroboi (ou mata bestas).

Depois da Segunda Guerra Mundial, o equipamento continuou servindo nações diversas, como Tchecoslováquia, China, Coreia do Norte, Egito, Finlândia e Polônia. até os anos 1970.

Também participou de outros conflitos como, por exemplo, o Árabe-Israelense, a Guerra da Coreia e a Revolução Húngara de 1956. Vários desses veículos ainda funcionam – e continuam tão impressionantes quanto 70 anos atrás.

T-35

Um verdadeiro castelo sobre rodas, esse gigante em movimento é um espetáculo:

Com cinco torretas, três canhões e seis metralhadoras operadas por uma dúzia de homens, esse monstro da época de Stálin tinha mais de três metros de altura. Para a sorte dos amantes do blindado, ainda há alguns exemplares em operação.

Su-100

Quando esse blindado foi tirado de serviço em 1956, diversos exemplares foram mantidos em armazéns, caso precisassem ser usados em algum momento. Quando eles saem, entende-se por que os tanquistas alemães tinham respeito – e medo:

O SU-100 serviu durante o último ano da Segunda Guerra Mundial. Foi usado em grande número na Hungria, em março de 1945, quando as forças soviéticas derrotaram os alemães na batalha do lago Balaton. Em julho de 1945, foram construídos nada menos que 2.335 destruidores de tanques SU-100.

O Su-100 foi empregado pela União Soviética, Egito, Angola e Cuba.

LEIA MAIS: Como as mulheres soviéticas que dirigiam tanques tocaram terror nos nazistas 

Na URSS, os SU-100 foram retirados de serviço em 1957. Na época, acabaram sendo transferidos para estoques de reserva, onde muitos continuam até hoje.

Em países como Vietnã, Coreia do Norte e Iêmen, os modelos continuam na ativa.

KV-1

Vendo este vídeo, é fácil imaginar a razão pela qual foi apelidado de “matanazi”: 

No verão de 1941, quando os nazistas usaram sua tática militar Blitzkrieg, ou guerra-relâmpago, contra a URSS, o tanque KV-1 (em homenagem ao comandante militar e político soviético Kliment Vorochilov) realizou feitos extraordinários. Para se ter ideia de alguns dos feitos do blindado, em junho de 1941, um único KV-1 se atreveu a enfrentar 5.000 soldados alemães, impedindo seu avanço por quase 24 horas.

BA-3

Veterano que lutou na Espanha, contra os japoneses em Khalkhin Gol, na Mongólia, e na Guerra de Inverno, blindado pode provocar até hoje a certa ternura – desde que seu canhão esteja descarregado:

O BA-3 foi um blindado pesado desenvolvido na União Soviética em 1933, seguido por um modelo ligeiramente modificado, BA-6, em 1936. A maior parte da produção de BA-3 foi baseada no chassi Ford-Timken. Devido ao peso, enfrentava problemas de locomoção em algumas regiões. Alguns modelos capturados acabaram sendo usados pelo Exército finlandês sob a designação BAF A (às vezes também BA-32-1).

T-18

Quando não encontrar nenhum exemplar do tanque com que você sonha desde que o viu em um livro ou revista militar, você tem a opção de fabricá-lo..:

O T-18 foi o primeiro tanque soviético produzido em série. No total, foram fabricados cerca de 960 unidades. Essa máquina participou pela primeira vez de um conflito na Ferrovia Transmanchuriana, em 1929. O ataque de 9 tanques colocou em fuga a infantaria chinesa.

Na segunda metade dos anos 1930 e no início dos anos 40, muitas dessas máquinas eram usadas como bases fixas de tiro nos territórios fronteiriços do Extremo Oriente e do Istmo da Carélia. Relatos confirmam a participação de modelos T-18 também nos primeiros meses da Segunda Guerra Mundial.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies