Membro da Otan, Turquia receberá sistemas russos S-400 por US$ 2,5 bilhões

Recarga de S-400 Triumf durante manobras militares na região de Moscou

Recarga de S-400 Triumf durante manobras militares na região de Moscou

Grigoriy Sisoev/Sputnik
Anúncio de valor foi feito durante encontro entre líderes nacionais. Moscou vai fornecer armas antiaéreas pesadas a Ancara e planeja também montar diversas empresas militares no aliado. Mas segredos sobre equipamento não serão revelados, garante especialista do setor.

A Turquia, que é aliada da Rússia, mas também integrante da Otan, comprou duas unidades do sistema de defesa aérea mais avançado do mundo, o Triumph S-400. Até então, Moscou não havia fornecido esses sistemas a nenhum outro país.

Em uma reunião entre os líderes russo Vladimir Putin e turco Recep Erdogan, na quarta-feira (4), foi revelado que o contrato equivale a US$ 2,5 bilhões e a Rússia começará a fornecer os sistemas antimísseis à Turquia a partir de julho de 2019.

Pacote completo, incluindo tecnologia

Cada bateria inclui quatro instalações de lançamento, com quatro mísseis cada; no total, cada bateria possui 16 mísseis capazes de derrubar caças de 5ª geração e mísseis de cruzeiro a uma distância de 200 quilômetros.

O contrato inclui também um conjunto reserva de combate, máquinas de carregamento de transporte, estações de radar, um posto de comando e uma série de veículos de apoio.

Os militares turcos que irão operar esses sistemas receberão treinamento na Rússia.

A Rússia também concordou em ceder parte da tecnologia a Ancara e abrir uma empresa militar em solo turco.

Segundo o chefe do gabinete de imprensa da Rosoboronexport (empresa estatal russa responsável pelas vendas de equipamento militar ao exterior), Viatcheslav Davidenko, os detalhes do contrato são totalmente confidenciais.

Montagem de máquina de carregamento para os sistemas S-300 e S-400 na Empresa de Pesquisa e Produção ‘Start’

“As primeiras unidades do S-400 chegarão à Turquia em meados de 2019. Há pouco tempo, porque concordamos em reduzir o prazo de entrega e enviar a primeira remessa no próximo ano. Nessa época, infelizmente, será impossível abrir a fábrica. Nós provavelmente entregaremos parte da produção a nossos parceiros no início dos anos 2020”, acrescentou Davidenko ao Russia Beyond.

Segundo o assessor da Rosoboronexport, a tecnologia do S-400 que a Rússia cederá à Turquia está relacionada às relações bilaterais entre os países. “Isso será decidido não apenas em nível comercial entre produtor e cliente, mas também em nível político.”

Segredos que não serão revelados 

De acordo com o analista militar da TASS, Viktor Litovkin, a Rússia tem a intenção de abrir várias pequenas empresas na Turquia que produzirão peças e eletrônicos para os sistemas S-400, mas Moscou não compartilhará os maiores segredos do sistema.

S-400 Triumf em serviço em Sevastopol para proteger as fronteiras aéreas da Rússia

“Nós não vamos dar a eles o ‘recheio’, bem como os códigos eletrônicos dos sistemas. A manutenção técnica em grande escala será feita na Rússia, na fábrica da Almaz-Antey”, disse Litovkin ao Russia Beyond.

Os códigos de acesso e o “recheio” a que o especialista se refere dizem respeito primariamente aos sistemas de detecção de “amigos ou inimigos”.

“Este será um sistema russo. Não revelaremos as senhas e não permitiremos que ninguém as reprograme”, destacou o analista, acrescentando que os mísseis para os sistemas também serão produzidos na Rússia.

“Abrir essa produção é caro e consome tempo. Além disso, os líderes russos podem não estar dispostos a compartilhar alguns dos seus segredos mais preciosos sobre a criação de mísseis que hoje são considerados os melhores do mundo”, arrematou.

Recentemente, os russos fizeram uma votação para escolher nomes de novos armamentos bélicos. Veja aqui os resultados

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais