Cientistas russos exploram influência de física quântica sobre aprendizado de máquina

Computadores quânticos devem acelerar aprendizagem automática

Computadores quânticos devem acelerar aprendizagem automática

Getty Images
Especialistas do Instituto de Ciência e Tecnologia de Skôlkovo (Skoltech), nos arredores de Moscou, divulgaram artigo sobre o tema na revista “Nature”. Segundo eles, teoria quântica pode não só acelerar o aprendizado automático, mas determinar a inteligência das máquinas à disposição de humanos.

Você sabia que os dispositivos amplamente usados hoje, como os smartphones, por exemplo, são regidos pelas leis da física? Segundo a previsão de cientistas russos, a teoria quântica irá definir o nível de inteligência da máquina, possibilitando o surgimento de equipamentos mais modernos e inteligentes capazes de solucionar problemas globais e contribuir para longevidade.

Em um novo artigo publicado na revista “Nature”, um grupo de cientistas liderados pelo professor associado do Skoltech, Jacob Biamonte, analisou quais as medidas que podem ser desenvolvimento e adotadas para tirar o máximo proveito do aprendizado automático quântico.

Os softwares de aprendizado de máquina quântico, por exemplo, são capazes de processar informações com uma eficácia que os computadores clássicos não possuem. Além disso, esses programas superam os melhores algoritmos existentes ao resolver determinados problemas de aprendizagem automática. Mas ainda possuem limitações, atualmente trabalhadas pelos pesquisadores.

De acordo com o grupo da Skoltech, os sistemas quânticos podem ser mapeados em modelos de aprendizado de máquinas, em especial modelos de aprendizado profundo. Eles acreditam que a aprendizagem de máquinas quântica poderá operar em conjunto com os métodos existentes para simular química quântica.

Os cientistas também se mostram entusiasmados com as perspectivas de acelerar a aprendizagem automática pelo avanço de computadores quânticos.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.