Rússia e Bielorrússia realizam maior manobra militar conjunta

Soldados durante exercício tático com unidades das forças especiais do Distrito Militar do Sul da Rússia

Soldados durante exercício tático com unidades das forças especiais do Distrito Militar do Sul da Rússia

Vitaliy Timkiv/RIA Novosti
O cenário do atual exercício militar lembra um blockbuster americano – um grupo de insurgentes se organiza para derrubar os governos russo e bielorrusso. Veja três razões pelas quais seguir a maior manobra conjunta já realizada pelos dois países.

1. Um dos maiores exercícios militares russos de todos os tempos

Durante os exercícios militares Zapad-2017, Rússia e Bielorrússia trazem mais de 12.700 militares ativos aos campos de batalha para aperfeiçoar a cooperação. As manobras, que visam sobretudo contrapor ameaças terroristas, tiveram início nesta quinta-feira (14) e seguem até a próxima quarta (20).

Os desenvolvimentos serão monitorados diariamente pelos meios de comunicação internacionais e poderão ser acompanhados pela TV ou internet.

2. Tenha uma ideia de como os militares lidam com terroristas

No exercício, os militantes declaram três Estados independentes (Veishnoriya, Vesbaniya e Lubenia) nos territórios dos países e depois usam todas as suas forças e poder de fogo para derrubar os regimes governantes. Um dos Estados autoproclamados, porém, tenta não só derrubar o governo, mas também abocanhar uma parte dos territórios de países vizinhos.

O objetivo é justamente que Rússia e Bielorrússia se unam para lutar contra uma ameaça interna capaz de trazer instabilidade e desordem para a Europa Oriental.

3. Novos veículos blindados da Rússia entrarão em ação

O Ministério da Defesa russo incluiu no atual exercício cerca de 700 blindados pesados para eliminar os terroristas. Mas essa é apenas uma amostra em solo.

Além desses veículos, a frota naval mais poderosa da Rússia, a do Norte, também participará das manobras, bem como dos mais recentes caças e helicópteros – modelos como Su-35, Su-30SM, Mi-28 e Mi-35 poderão ser vistos em ação.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.