Russa lidera indústria de tratores sem motorista no país

Primeiro trator autônomo da Rússia durante teste no sul do país

Primeiro trator autônomo da Rússia durante teste no sul do país

Divulgação
A empreendedora russa Olga Uskova tornou seu sonho realidade na semana passada, ao lançar sua primeira linha de colheitadeiras autônomas. Os veículos já foram testados na região de Rostov, no sul da Rússia, onde demonstraram sucesso.

Quando criança, ainda na época soviética, a empresária Olga Uskova ficou impressionada com um filme que mostrava um trator futurista nos campos de cultivo. Passados alguns anos, porém, Uskova entrou na indústria de TI – majoritariamente dominada por homens –, estabeleceu sua própria empresa, a Tecnologias Cognitivas, e tornou-se pioneira e porta-voz da tecnologia de veículos autônomos no país.

Na semana passada, seus sonhos enfim se tornaram realidade: a primeira colheitadeira autônoma russa rendeu bons frutos ao ser testada no campo. “Passamos mais de cinco anos trabalhando nesse projeto e obtivemos excelentes resultados”, conta Uskova.

Olga Uskova, presidente da Tecnologias Cognitivas (Foto: Arquivo pessoal)Olga Uskova, presidente da Tecnologias Cognitivas (Foto: Arquivo pessoal)

Colheitadeiras e tratores sem motorista são cada vez mais comuns. A montadora de maquinário agrícola americana John Deere, por exemplo, dispõe atualmente de cerca de 200 mil tratores autônomos em fazendas espalhadas por várias partes do mundo.

No entanto, segundo Uskova, a colheitadeira autônoma desenvolvida por ela é diferente porque possui apenas uma câmera de vídeo, ao contrário dos equipamentos existentes, que usam scanners a laser para se mover ao longo da beirada do campo.

(Vídeo: YouTube/Cognitive Technologies)

“Conseguimos criar um sistema avançado de visão por computador que permite que uma câmera obtenha resultados semelhantes às principais marcas do mercado, que utilizam de três a quatro sensores”, explica a empresária. “Como resultado, os custos para utilização de nossa tecnologia são de três a quatro vezes menores também.”

A expectativa de Uskova é que, além da tecnologia, o preço coloque sua empresa em vantagem significativa nos mercados internacionais. O seu veículo, porém, ainda precisa de um operador – o que o diferencia daquele sonho antigo de quando assistia ao seu drama favorito, “Aconteceu em Penkovo” (Stanislav Rotostki, 1957).

Cena de "Aconteceu em Penkovo": enredo envolve, além de amor e ciúmes, conceitos futuristas como tecnologias autônomas (Vídeo: YouTube/Псковская правда)

Embora seja necessário um operador para controlar a colheitadeira autônoma, o sistema baseado em inteligência artificial reduz a carga de trabalho do agricultor, que pode focar em outras coisas, como velocidade e ângulo, que afetam a colheita.

Os testes serão concluídos até o final deste mês; a partir de então, será iniciada a produção dos tratores autônomos.

“Os tratores russos que utilizam essa tecnologia irão competir com as principais marcas mundiais”, afirma a empreendedora. “Nossa estimativa é produzir um trator completamente sem motorista até 2023 ou 2024.”

A Tecnologias Cognitivas também está cooperando com a estatal Kamaz para construir o primeiro caminhão sem motorista da Rússia para a Copa do Mundo de 2018. “Quando, alguns anos atrás, comecei a criar minha empresa de tecnologia sem motorista, achavam que eu estava louca. Mas os tempos mudaram”, conclui Uskova.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.