Nova lei russa ameaça a privacidade digital?

Para se manter anônimo na rede, inclusive durante viagens na Rússia, VPNs são solução

Para se manter anônimo na rede, inclusive durante viagens na Rússia, VPNs são solução

Evguêni Odinokov/RIA Nôvosti
Veja a resposta para esta e outras perguntas sobre lei assinada por Pútin no final de julho e que promete restringir atuação de VPNs (da sigla em inglês, redes privadas virtuais).

A partir de novembro, irá vigorar na Rússia uma nova lei para restringir o acesso anônimo a sites censurados e ilegais via VPNs. No entanto, embora a lei assinada pelo presidente Vladímir Pútin no último dia 30 de julho tente proibir o uso de VPNs no país, a tarefa não será fácil.

Afinal, o que são VPNs?

A tecnologia VPN permite acesso a sites bloqueados – incluindo ilegais ou censurados – e assegura comunicações seguras por redes inseguras.

As VPNs ainda ajudam a ‘enganar’ as empresas que tentam aumentar os preços com base na localização e mantêm dados de internautas a salvo dos hackers, entre outros.

A privacidade digital na Rússia está em perigo?

A política da Rússia relacionada à internet vem sendo reforçada. Em 2016, o governo aprovou uma lei que exige que provedores de serviços de telecomunicações e internet mantenham históricos de navegação na web por até um ano. Para os usuários que desejam manter a privacidade no ambiente digital, as VPNs são a solução ideal.

O que realmente diz a nova lei?

Segundo Karen Kazarian, analista-chefe da Associação Russa de Comunicações Eletrônicas e um dos especialistas russos mais experientes sobre o tema, a nova lei não proíbe VPNs. “Isso não é possível por razões técnicas”, explica.

“De acordo com a nova legislação, as autoridades podem exigir agora que VPNs restrinjam o acesso a alguns sites”, disse Kazarian à Gazeta Russa. “Mas é quase impossível obrigá-las a isso, considerando a arquitetura da internet na Rússia.”

As soluções de VPN para empresas estão excluídas da lei.

É possível banir completamente VPNs?

Ninguém pode proibir 100% determinada tecnologia.

O governo da China tem tentado controlar VPNs durante anos, para bloquear o acesso ao Facebook e outras “invenções ocidentais”. Os chineses conseguiram se livrar de alguns aplicativos baseados em VPN na App Store; a própria Apple os removeu para cumprir a legislação do país, mas não se pode chamar isso de sucesso total.

A batalha entre as autoridades chinesas e a tecnologia é constante. Atualmente, todos os desenvolvedores que oferecem VPNs têm que obter uma licença do governo local – o que geralmente é concedido apenas às grandes empresas.

VPNs para usar na Rússia

Se estiver viajando pela Rússia e ficar com receio de ser vigiado pelo Kremlin, há muitas VPNs que se pode usar no país: IPVanishNordVPNPureVPN e outras.

Todas são confiáveis e não serão banidas em um futuro breve.

A ExpressVPN, por exemplo, tem servidores em 94 países e não mantém registros de tráfego, o que significa que sua atividade on-line não pode ser vazada para terceiros. Também não compartilha informações com agências governamentais.

Leia outras matérias da Gazeta Russa:

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.