3 projetos soviéticos que mais parecem ficção científica

Thunderstorm in Koktebel.

Thunderstorm in Koktebel.

Vladimir Astapkovich/RIA Novosti
A Guerra Fria levou os cientistas a criarem armas e recursos extraordinários para que a União Soviética não perdesse a corrida contra os EUA. Alguns foram bem-sucedidos, outros nem tanto, e alguns foram muito bizarros. Veja abaixo os exemplos mais inusitados.

Os cientistas soviéticos tinham muitas ideias revolucionárias – mas colocá-las em prática nem sempre era fácil. Com a Guerra Fria, potenciais projetos foram incubados (com ou sem sucesso) na tentativa de superior o inimigo número 1 do regime: os Estados Unidos.

Alguns programas científicos e militares da época soviética ainda estão em operação hoje, e até mesmo as ideias mais ambiciosas – como armas sonoras e a laser – estão agora se tornando realidade. Alguns dos projetos mais mirabolantes, entretanto, acabaram sendo abandonados e esquecidos para sempre.

A Gazeta Russa analisa alguns dos mais radicais como prova de que os cientistas soviéticos estavam realmente dispostos a manter o suposto inimigo na lanterninha.

Rádio cerebral

Bernard Kajinski realizou experimento com cães (Foto: Arquivo)Bernard Kajinski realizou experimento com cães (Foto: Arquivo)

Em 1923, o engenheiro elétrico Bernard Kajinski criou o extraordinário conceito de ‘rádio cerebral’ para transmitir impulsos cerebrais e transformá-los em sinais de longa distância. Partindo da ideia de que os seres humanos são ‘estações de rádio vivas’ capazes de transmitir e receber sinais, Kajinski visitou a Europa e a América do Norte para dar palestras sobre o tema. E seu projeto recebeu o apoio das autoridades.

No ano seguinte, o cientista realizou os primeiros testes em Moscou – usando ondas de rádio de baixa frequência, o objetivo do experimento foi influenciar cães a pegar um livro específico de uma pilha e entregá-lo a cientistas na sala da próxima porta. Embora o experimento inicial tenha sido um sucesso, os animais deixaram, mais tarde, de obedecer aos comandos durante treinamento.

Os serviços secretos acompanharam o projeto e estavam interessados ​​na ideia de usar o rádio para influenciar a mente das pessoas. No entanto, segundo relatos, Kajinski parou de trabalhar no projeto, apesar de acreditar nele; a ideia acabou sendo adotada por outros cientistas, embora nunca tenha sido colocada em prática. O conceito foi eventualmente relegado aos arquivos devido ao alto custo e pouco progresso.

Toupeira-lutadora

Toupeira-lutadora não resistiu ao segundo teste (Foto: Arquivo)Toupeira-lutadora não resistiu ao segundo teste (Foto: Arquivo)

A ideia de construir uma máquina que pudesse perfurar diversos tipos de solo e rochas não foi sugerida apenas por escritores de ficção científica, mas também por cientistas soviéticos. Essa máquina seria capaz de destruir as instalações e infraestruturas subterrâneas de um inimigo, bem como violar as fronteiras inimigas.

Embora o conceito tenha surgido em Moscou no início do século 20, graças ao engenheiro Piotr Rasskazov, ele não viveu o suficiente para ver o seu projeto se materializar. Foi só na década de 1930 que o conceito ganhou novo fôlego.

De acordo com histórias da época, o engenheiro soviético Rudolf Trebelevski havia se apoderado de alguns projetos alemães e, mais tarde, com o apoio das autoridades soviética, construiu o primeiro protótipo da máquina de perfuração subterrânea. O equipamento foi projetado tanto para implantar minas e cabos como para exploração geológica. No entanto, o projeto foi abandonado por vários anos, uma vez que as autoridades soviéticas decidiram se concentrar em outras iniciativas.

Na década de 1960, apoiada pelo então líder da URSS, Nikita Khruschov, a ideia foi retomada, porém mantida em segredo (mais do que o projeto atômico soviético). Uma fábrica especial para a produção do equipamento também foi construída na Crimeia.

Na época, os cientistas apresentaram uma atualização com habilidades superiores. Intitulada “toupeira-lutadora”, a máquina operava com energia nuclear e possuía 35 metros de comprimento. Era capaz de perfurar a uma velocidade máxima de 7 km/h e também podia transportar cinco membros da tripulação, além de 15 soldados.

Testado pela primeira vez em 1964, nos Urais, o equipamento se mostrou um sucesso – cortou uma montanha como uma faca passando através da manteiga e destruiu um abrigo inimigo imaginário. Infelizmente, o segundo teste não foi tão bem-sucedido: a ‘toupeira’ explodiu matando todos os membros da equipe. A causa do acidente continua sendo um segredo, mas todos os outros testes foram adiados, e o projeto foi abandonado para sempre quando Leonid Brejnev chegou ao poder. Isso porque, dentre outros motivos, o líder soviético estava mais focado em exploração espacial.

Arma climática

Fenômenos estranhos foram avistados no céu ao redor de estações (Foto: Aleksêi Buchkin/RIA Nôvosti)Fenômenos estranhos foram avistados no céu ao redor de estações (Foto: Aleksêi Buchkin/RIA Nôvosti)

Na década de 1960, muitos países tentaram desenvolver métodos para influenciar as condições climáticas. Os soviéticos pensavam que, se pudessem controlar o clima, eles teriam uma enorme vantagem sobre o inimigo, e os cientistas investiram na ideia. Também sabia-se que os EUA estavam trabalhando em um conceito semelhante.

Ainda que, em 1977, a ONU tenha adotado oficialmente uma norma proibindo o uso de armas que causassem mudanças climáticas o clima, a União Soviética e os Estados Unidos continuaram avaliando as perspectivas desse tipo de tecnologia e criaram complexos meteorológicos capazes de influenciar os processos na ionosfera (camada da atmosfera terrestre que é ionizada pelas radiações solar e cósmica).

A estação de aquecimento ionosférico (Sura), um laboratório russo para pesquisar a ionosfera, foi criada nos anos 1980 e era muito parecida com o complexo americano HAARP (em português, Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência). Na época, os moradores vizinhos testemunharam estranhas luzes incandescentes e esferas vermelhas que se moviam pelo céu – formações de plasma resultantes dos trabalhos conduzidos no complexo.

No entanto, apesar das evidências, muitos cientistas alegam hoje que os relatos sobre armas climáticas são completamente infundados.

Leia outras matérias da Gazeta Russa:

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.