Como uma antiga fábrica de turbinas tornou-se uma empresa internacional

Слава Степанов | <a href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>
As fábricas russas são conhecidas por sua segurança máxima, que impede que pessoas de fora do local tenham acesso aos processos de manufatura. Mas uma fábrica no país é diferente. As turbinas produzidas no local podem ser encontradas em todo o mundo, e a fábrica é uma das maiores e mais antigas da Rússia. A Gazeta Russa mostra como funciona a Fábrica de Metais de Leningrado.

Foto: Archive PhotoFoto: Archive Photo

A Fábrica de Metais de Leningrado (em russo, Leningrádski Metallítcheski Zavod ou LMZ) é a maior fabricante de turbinas e maquinário pesado da Rússia. Localizada em São Petersburgo, a fábrica está em funcionamento há 160 anos.

A fábrica foi fundada em 1857 por Serguêi Rasteriaev, um membro proeminente da burguesia russa. Ele foi um dos poucos comerciantes e homens de negócios com permissão para usar o emblema nacional do Império Russo.

Rasteriaev contratou algumas das mentes mais brilhantes da Alemanha para trabalhar na fábrica, mas foram engenheiros russos que criaram as primeiras turbinas a vapor e água da Rússia.

Foto: Archive PhotoFoto: Archive Photo

A revolução de 1917 manchou o legado da burguesia russa e colocou as atividades de construção em primeiro plano. A capacidade de energia das turbinas aumentou intensamente e, em 1963, engenheiros da fábrica criaram a maior e mais poderosa turbina radial e axial do país, para a estação hidrelétrica de Krasnoiarsk.

 / Archive Photo / Archive Photo

A fábrica sempre teve o obgetivo de ser uma das “maiores e mais poderosas” do país. Em 1977 começou a fabricar equipamentos hidráulicos e seu maquinário rapidamente se espalhou pelo mundo.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Atualmente, uma em cada dez turbinas do mundo são feitas pela LMZ.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Após o fim da União Soviética, a fábrica se tornou parte da maior indústria de energia da Rússia, Power Machines e continua investindo tempo e dinheiro em pesquisa e desenvolvimento para criar produtos de alta qualidade.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

De acordo com a empresa, a fábrica produziu até hoje mais de 2.150 turbinas a vapor e 790 turbinas de água.

Foto: Slava Stepanov <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov geliovostok.ru

No período soviético, as vendas da fábrica eram limitadas a países aliados da União Soviética. Além dos países soviéticos, China, Índia e nações da América Latina estavam entre os principais clientes.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Hoje, é difícil encontrar uma região em que as turbinas da LMZ não sejam usadas, seja no Canadá, Estados Unidos, África ou Ásia.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Os projetos internacionais mais impressionantes da fábrica incluem usinas no Irã, na China e no México.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

A maior parte das usinas de energia da Rússia inclui turbinas feitas pela LMZ. Seus engenheiros reconstruíram a maior usina do país, a usina hidrelétrica Sayano–Shushenskaya, depois que a usina sofreu um grave acidente que inundou todo o maquinário, em 2009.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Um dos projetos mais recentes e mais impressionantes foi a construção de uma turbina a vapor para a usina nuclear de Beloyarsk. Ao contrário da maioria das usinas, esta possui um reator de fissão nuclear rápida, uma inovação da indústria nuclear da Rússia.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Seção em que as turbinas de água são feitas.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

A fabricação de turbinas é um longo processo. Os engenheiros da fábrica fazem revisões a cada passo da produção. A fábrica tem até mesmo uma câmara especial de vácuo, onde as futuras turbinas são testadas em condições de trabalho reais.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Uma turbina pode pesar até 1.500 toneladas e ter 60 metros de comprimento. Uma turbina deste tamanho foi projetada para a usina nuclear Leningradskaia-2 e deve iniciar suas atividades em 2018.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

Atualmente os engenheiros estão trabalhando em uma turbina hidráulica que pesará 250 toneladas.

Foto: Slava Stepanov | <a  data-cke-saved-href="http://geliovostok.ru" href="http://geliovostok.ru" target="_blank">geliovostok.ru</a>Foto: Slava Stepanov | geliovostok.ru

A fábrica fica em uma área de 190 hectares e produz rodas, turbinas e outras partes de futuras usinas.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.