Ratos venenosos viviam entre dinossauros na Sibéria, diz pesquisa

Facilidade de procriação e hábitos noturnos teriam garantido sobrevivência em meio a carnívoros

Facilidade de procriação e hábitos noturnos teriam garantido sobrevivência em meio a carnívoros

Getty Images
Paleontólogos russos descobriram os restos de uma nova espécie de mamífero. Meio rato herbívoro, meio hamster com esporas venenosas, o chamado Baidabatyr teria vivido entre os dinossauros dos períodos Jurássico e Cretáceo.

Cientistas das universidades de São Petersburgo e Tomsk descobriram os restos mortais dos primeiros herbívoros entre os mamíferos da Sibéria. A espécie recebeu o nome de Baidabatyr e, segundo os pesquisadores, “se parecia com um rato moderno”.

A descoberta foi feita enquanto os cientistas faziam escavações perto do rio Bolshoi Kemtchug, na região de Krasnoiarsk (a mais de 2.000 quilômetros de Moscou), em busca de restos mortais de mamíferos do período Mesozoico.

Além de vertebrados do início do Cretáceo, os paleontólogos encontraram um dente de 2 mm de comprimento que pertenceu a um animal desconhecido de um grupo dos multituberculados (chamados assim devido aos vários tubérculos em seus dentes).

Acredita-se que o roedor achado se alimentava de plantas e tenha vivido entre os dinossauros durante os períodos Jurássico e Cretáceo.

Segundo os pesquisadores, o animal pode ter sobrevivido a dinossauros carnívoros pois era muito prolífico e tinha hábitos noturnos, como os roedores modernos. Além disso, suas patas traseiras traziam esporas venenosas para proteção contra predadores.

O mamífero recebeu o nome Baidabatyr (“baida” vem da palavra “baidarka”, o termo russo “caiaque”), porque o local da escavação só podia ser alcançado por caiaque. Já “Batyr”, derivado de “Bogatyr”, é um personagem do folclore russo que geralmente se traduz como “cavaleiro” ou “guerreiro”.

Evolução na Sibéria

Embora Baidabatyr se pareça com roedores modernos, não se trata de um antepassado direto de hamsters ou ratos. Todos os representantes dos multituberculados morreram no período Paleogeno, há cerca de 20 a 25 milhões de anos. Estima-se que o dono do dente encontrado tenha desaparecido da face da Terra no início do período Cretáceo.

“Os multituberculados foram totalmente extintos, hoje não existem grupos de mamíferos modernos que descendam deles”, explica Stepan Ivantsov, pesquisador do Laboratório da Universidade de Tomsk que participou da pesquisa.

Restos mortais de multituberculados já haviam sido encontrados na América do Norte e  na sia, mas essa foi a primeira vez que foram descobertos na Sibéria.

“A descoberta é de grande importância e confirma que multituberculados viveram no sudeste da Sibéria Ocidental”, diz Ivantsov.

Os cientistas esperam que o achado esclareça aspectos da evolução na região, onde mamíferos e anfíbios se mantiveram praticamente inalterados por milhões de anos.

O dente de Baidabatyr foi armazenado na coleção científica da Universidade de Tomsk. “Se encontrarmos outros restos de multituberculados na Sibéria, continuaremos a estudar esse grupo de animais antigos”, conclui Ivantsov.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.