Embriões congelados são promessa para gatos ameaçados

Quase 60% dos tipos de felinos no mundo estão à beira da extinção

Quase 60% dos tipos de felinos no mundo estão à beira da extinção

Vostock-Photo
Criobanco na Sibéria mantém material genético de cruzamentos híbridos. Próxima etapa é criar viveiro de felinos para receber as futuras mães.

Biólogos de Novosibirsk estão cultivando, pela primeira vez, embriões de gatos selvagens cruzados com domésticos para salvar espécies ameaçadas de extinção.

O lince ibérico, o leopardo-das-neves e o gato de patas pretas, entre outros, são alguns dos tipos de felinos que correm o risco de desaparecer em um futuro próximo.

“Quase 60% dos tipos de felinos que existem no mundo estão à beira da extinção”, afirma Valéria Kojevnikova, do Instituto de Citologia e Genética de Novosibirsk.

Um dos recentes resultados da reprodução in vitro desenvolvida pelo instituto siberiano é um cruzamento híbrido com selvagem do Extremo Oriente, que está na lista de animais ameaçados de extinção na Rússia.

Amur cat at Sadgorod Zoo in Vladivostok  Foto: Vitáli Ankov/RIA Nôvosti

Gato de Amur em zoológico de Vladivostok

Caracal  Foto: Alamy/Legion Media

Caracal

Leopard cat  Foto: Alamy/Legion Media

Gato-leopardo

Manul  Foto: Alamy/Legion Media

Gato-de-pallas

Siberian Tiger  Foto: Alamy/Legion Media

Tigre siberiano

Snow Leopard  Foto: Alamy/Legion Media

Leopardo-das-neves

Black-footed cat  Foto: Alamy/Legion Media

Gato-bravo-de-patas-negras

Sand cat  Foto: Alamy/Legion Media

Gato-do-deserto

 
1/8
 

Banco de espermas

Até recentemente, híbridos felinos eram obtidos por meio de acasalamento natural, mas raças selvagens eram relutantes em copular com gatos domesticados.

O objetivo do instituto é aperfeiçoar as técnicas para preservar o material genético dos gatos com métodos baseados em novas conquistas na biologia reprodutiva.

Além do cruzamento de gatos selvagens ameaçados de extinção com domesticados, os cientistas também desenvolveram uma maneira de congelar os embriões de felinos. Segundo os autores, trata-se de uma conquista significativa, porque os embriões do gato contêm muitos grânulos lipídicos extremamente sensíveis ao frio e que acabam sendo facilmente destruídos à medida que a temperatura cai.

Os cientistas congelaram o sêmen do gato selvagem do Extremo Oriente (subespécie do gato Bengal, e do lince ibérico e eurasiático), e de várias raças de domesticados.

Mas a ideia de um criobanco para preservar embriões que mais tarde possam ser descongelados e transplantados para animais não é nova. É impossível, no entanto, restabelecer espécies ameaçadas dessa maneira. Mesmo um membro de uma raça estreitamente próxima não será capaz de conservar o embrião.

As raças híbridas podem, para os autores, ser mães de aluguel excelentes. E esse é o objetivo das tecnologias de crioconservação e reprodução do instituto, dizem.

Embriões de felinos são sensíveis a temperatura Foto: Arquivo pessoalEmbriões de felinos são sensíveis a temperatura Foto: Arquivo pessoal

Fertilização in vitro

Os cientistas siberianos produziram os embriões de gatos híbridos em tubos de ensaio por meio do método padrão de fertilização in vitro. O experimento foi conduzido por Kojevnikova e seus colegas sob a supervisão do biólogo Serguêi Amstislavski.

“Graças a esse método e a tecnologias reprodutivas semelhantes, podemos ver agora o nascimento de servais, gato-pescadores, gatos-do-deserto e de outras espécies raras e ameaçadas de extinção”, diz Kojevnikova.

Os embriões são congelados e preservados à temperatura do nitrogênio líquido. “Assim temos certeza que eles permanecerão vivos”, explica o cientista.

Para que os embriões de gatos híbridos de Novosibirsk sejam usados, porém, é necessário antes criar um viveiro de gatos onde os pesquisadores prepararão futuras mães; os transplantes de embriões serão feitos quando as fêmeas estiverem prontas.

“Por enquanto, esses gatos híbridos, que hoje são células congeladas, permanecerão embriões. Mas quero defender minha tese de doutorado já com um gatinho no ombro, um gatinho obtido por meio desse procedimento”, diz Kojevnikova.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.