Governo investirá US$ 20 milhões em tecnologias para exploração do Ártico

Hoje, 90% dos equipamentos de exploração usados no Ártico são importados

Hoje, 90% dos equipamentos de exploração usados no Ártico são importados

Vostock-Photo
Nacionalização de equipamentos e criação de fontes de energia renovável estão entre metas russas até 2030.

A Rússia injetará US$ 20 milhões no desenvolvimento de tecnologias para exploração do Ártico até 2030, declarou o vice-primeiro-ministro russo, Dmítri Rogôzin, durante o fórum de novas tecnologias Tekhnoprom, em Novosibirsk, na Sibéria.

Os investimentos se concentrarão principalmente na aquisição de novos navios e tecnologias para exploração das jazidas de petróleo na plataforma continental.

Segundo Rogôzin, os projetos ajudarão a reduzir a dependência russa de equipamentos e tecnologias importadas, inclusive nas áreas de estudos sísmicos, tecnologias de preservação do calor, materiais de construção e meios de comunicação.

Hoje, 90% dos equipamentos de exploração usados no Ártico são importados, observou Rogôzin.

“Novosibirsk tem o potencial para criar novas tecnologias que poderão ser testadas no Ártico", disse o governador da região, Vladímir Gorodétski.

Durante o evento, cientistas russos apresentaram suas inovações. “Agora, temos que realizar estudos climáticos e compreender como os materiais reagem às condições de permafrost", disse Roman Tcherepánin, diretor departamento de materiais para o clima do Ártico do Instituto de Materiais Aeronáuticos.

Energia renovável

Atualmente, mais de 20 milhões de toneladas de carvão e até 8 milhões de toneladas de combustíveis e lubrificantes são enviados para o Ártico para garantir o funcionamento das bases russas na região. Isso tem um impacto negativo sobre a ecologia.

Segundo Rogôzin, é preciso criar fontes de energia renováveis para garantir o desenvolvimento seguro da região.
A Rosatom, maior empresa de energia atômica da Rússia, desenvolveu novos reatores nucleares modulares que não exigem a presença permanente de especialistas. “No Ártico poderemos usar instalações de energia nuclear com uma capacidade não superior a 40 ou 60 megawatts”, disse Viatcheslav Perchukov, vice-diretor da Rosatom.

Rota do Mar do Norte

Outro objetivo estratégico será o desenvolvimento da Rota do Mar do Norte – rota marítima que liga a parte europeia da Rússia e o Extremo Oriente do país.

Segundo o diretor do Instituto Oceanográfico Estatal das Rússia, Iúri Sitchev, o país terá que criar apenas um operador de logística para coordenar o transporte ao longo da Rota do Mar do Norte. "Realizamos uma pesquisa entre os representantes de grandes empresas de logística e recebemos apoio unânime para o projeto”, diz Sitchev.

De acordo com as previsões do Ministério do Desenvolvimento do Extremo Oriente da Rússia, até 2030, o volume de transporte de carga ao longo dessa rota aumentará quase 10 vezes, de 5,4 para 51 milhões de toneladas.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.