Previsto para 2016, sistema russo irá competir com Android

O Sailfish foi desenvolvido pela startup Jolla e aplicado nos primeiros dispositivos da marca

O Sailfish foi desenvolvido pela startup Jolla e aplicado nos primeiros dispositivos da marca

Press Photo
Primeiras versões de novo sistema operacional para smartphones poderão estar disponíveis em poucos meses, anunciam os desenvolvedores. Um dos objetivos é acabar com supremacia nos Brics das atuais plataformas Windows, Android e iOS.

A principal missão da recém-inaugurada “Plataforma móvel aberta”, empresa de Innópolis, a mais de 1.300 km de Moscou, é criar um novo sistema que concorra com o Android no mercado móvel internacional.

“Nossa ideia é desenvolver um novo sistema operacional para usuários comuns, e os smartphones com essa tecnologia terão um preço acessível”, disse ao jornal “Védomosti” o proprietário da empresa, Gregóri Berézkin.

Os primeiros modelos serão lançados na Rússia já nos próximos meses, segundo Berézkin, que se recusou a conceder mais detalhes sobre o produto na atual fase.

No início de 2016, o ministro das Comunicações russo, Nikolai Nikiforov, já havia falado da necessidade de unir forças entre os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) para desenvolver um sistema operacional independente.

“Os Brics têm metade da população do mundo. Como resultado, respondem potencialmente ​​por metade dos usuários de smartphones e tablets”, disse Nikiforov na ocasião. Segundo ele, o novo sistema operacional pode ser a resposta para acabar com a supremacia do Windows, da Microsoft, do Android, do Google, e do iOS, da Apple.

A “Plataforma móvel aberta” é uma das empresas registradas no Centro Russo de Desenvolvimento de Sistemas Operacionais, localizado na República do Tatarstão.

Tecnologia quase nova

“O YotaPhone, o primeiro russo smartphone, não foi um sucesso de vendas devido a seu alto preço”, avalia o diretor-geral da Roselectronika, Ígor Kozlov. Em breve, a empresa lançará um novo telefone, com preço inferior a US$ 200, além de um tablet.

Entre as principais barreiras para se lançar um celular com preço competitivo no mercado internacional está o fato, porém, de os sistemas operacionais e processadores russos ainda serem insuficientes, acredita o empresário.

“Eu não vejo nenhum problema em lançar um smartphone montado na China”, contrapõe Karen Kazarian, analista na Associação Russa de Comunicação Eletrônica. “Não acho que, em curto prazo, surja a base necessária na Rússia. A questão é que não temos especialistas para projetar essa tecnologia”, completa.

Plataforma Sailfish Foto:Press photo
Plataforma Sailfish Foto:Press photo
Plataforma Sailfish Foto:Press photo
Plataforma Sailfish Foto:Press photo
 
1/4
 

O novo sistema será desenvolvido com base na plataforma Sailfish, que, por sua vez, se baseia no Linux. “Os desenvolvedores estão trabalhando para se adaptar o Sailfish às necessidades dos usuários locais, incluindo a tradução da interface para o russo. Mas não estão melhorias significativas em questões de segurança”, diz Berezkin.

O sistema operacional Sailfish foi desenvolvido pela startup Jolla, criada por desenvolvedores finlandeses que antes trabalhavam para a gigante Nokia. Hoje a empresa está registrada em Hong Kong e supostamente pertence a Berézkin.

“Ali há muitos investidores russos e chineses. Trata-se de um projeto internacional com a participação ativa da Rússia, e com programadores russos”, diz o Nikiforov.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.