Russos batem recorde de mergulho sob o gelo; veja vídeo

Temperatura e pressão dificultam operações em águas profundas no mar Branco

Temperatura e pressão dificultam operações em águas profundas no mar Branco

Anton Raikhshtat
Equipe de expedição atingiu 102 m abaixo da superfície, onde a temperatura é de -1,5°C. Análises subaquáticas ajudarão a estabelecer uma unidade móvel no Ártico.

Um grupo de mergulhadores russos estabeleceu o recorde mundial de profundidade no mergulho sob o gelo, chegando a 102 m abaixo da superfície, durante uma expedição ao mar Branco em meados de março.

A expedição integrou o projeto “Os 13 Mares da Rússia” e teve por objetivo testar equipamentos submarinos, além de desenvolver novos métodos para salvar pessoas em grandes profundidades.

“Estamos constantemente treinando em condições muito complexas e profundidades extremas”, disse o líder da equipe de mergulho da expedição, Dmítri Schiller. “É muito frio lá, e enfrentamos temperaturas negativas. As chances de o equipamento quebrar são dez vezes maiores do que em condições normais, fora a adrenalina.”

A equipe de mergulho de Schiller, formada em 2010, pretende usar sua experiência em águas profundas sob o gelo para estabelecer uma unidade móvel no Ártico.

Durante a recente expedição ao Ártico, os mergulhadores também conduziram uma pesquisa para a Academia Médica Militar Kirov. Graças às informações obtidas, espera-se criar tabelas especiais para mergulhos com ar comprimido.

Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
 
1/3
 

Equipamentos russos

“Alguns anos atrás, a maioria das pessoas acreditava que era impossível mergulhar mais do que 30 metros abaixo da superfície com o uso de equipamentos russos”, diz Schiller. “Mas os equipamentos estrangeiros foram ‘para o inferno’ a essa profundidade, enquanto os russos continuaram a funcionar”, completa.

Com o uso de equipamentos nacionais, os mergulhadores russos já haviam sido capazes de descer 97 metros na costa da Antártida, mas, na ocasião, o recorde não foi estabelecido porque atingiu-se o fundo do mar.

Maksim Astakhov, um dos mergulhadores envolvidos na última expedição ao mar Branco, ressaltou que, nesse tipo de missão, os computadores de mergulho desempenham um papel fundamental para a segurança da equipe.

“Eles calculam todos os indicadores de temperatura, e eles têm algoritmos matemáticos de descompressão”, explicou o também recordista Aleksandr Gúbin. “Há muitos fatores de estresse em águas frias. Normalmente, escurece rapidamente nos mares árticos. No mar Branco, já fica tudo escuro após ultrapassar os 20 metros. Os mergulhadores devem ouvir os sinais de computador e suportar a alta pressão.”

Segundo Gúbin, os computadores de mergulho são usados ainda para gravação de vídeos de curta duração durante as atividades.


Gravações foram feitas graças a computadores de mergulho Fonte: RBTHvideo

O mistério da parasita fêmea

“O principal resultado da nossa expedição é esclarecer o que é necessário para realizar o trabalho em tais profundidades”, afirma Schiller. “Selecionamos uma certa profundidade com base nas aptidões dos mergulhadores, bem como em recursos técnicos existentes que lhes permitem sobreviver ao mergulho”, acrescenta.

Segundo Schiller, os efeitos do frio sobre o corpo humano podem ser cumulativos. “Quando a temperatura do corpo do mergulhadores abaixa demais, eles não sentem frio, mas sim dor”, diz. “É como se as suas cabeças estivessem sendo apertadas.”

Além das pesquisas já citadas, os mergulhadores conduziram ainda outro projeto em conjunto com o departamento de biologia da Universidade Estatal de Moscou, que, por enquanto, não apresentou resultados.

Os cientistas moscovitas estão estudando a subclasse de crustáceos parasitas Tantulocarida que vivem no fundo do mar Branco. Durante a operação no inverno, os mergulhadores, porém, não conseguiram encontrá-los na região.

“Uma parte da nossa equipe estava equipada com dispositivos especiais para coletar solo do fundo do mar, no qual os cientistas esperavam achar o parasita do sexo feminino”, disse Schiller. “As amostras estão estudadas agora, mas a misteriosa fêmea não foi encontrada.”

Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
Anton Raikhshtat
 
1/9
 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.