Empresários cegos criam smartphone para deficientes visuais

Custo para consumidor final deve chegar a US$ 450

Custo para consumidor final deve chegar a US$ 450

Shutter Stock/Legion Media
Dispositivo reúne melhores aplicativos e funções entre as tecnologias disponíveis para deficientes visuais. Atualmente em teste, produto será primeiramente lançado nos Estados Unidos, Escandinávia e Israel.

O smartphone especial para deficientes visuais, chamado ElSmart, será uma dispositivo híbrido que, além de realizar ligações e navegas na internet, permitirá ouvir audiolivros, distinguir cédulas de dinheiro e identificar objetos. Todos os desenvolvedores envolvidos no projeto são cegos.

“A Apple, por exemplo, criou uma interface com a ajuda da qual os cegos podem utilizar o seu telefone. Porém, muitas pessoas estão acostumadas com as teclas físicas. Embora os deficientes visuais mais jovens dominem facilmente o iPhone e o Android, os mais velhos não têm a mesma facilidade”, explica Anatóli Popko, diretor de desenvolvimento do Elita Group, responsável pela criação.

Segundo a programadora Olga Iákovleva, criadora do sintetizador de fala RHVoice e membro da equipe,  o ElSmart não é uma inovação tecnológica, mas “reúne tudo o que há de melhor na esfera das tecnologias disponíveis para deficientes visuais”.

Exemplo disso é o programa que permite identificar as cédulas de dinheiro “Blind-Droid Wallet”, descoberto no Google Play. Apesar de esse aplicativo ser pago, o Elita Group decidiu apoiar o projeto e pagou por sua utilização.

O ElSmart foi originalmente projetado com  interface em inglês, com o objetivo de ser lançado primeiramente nos mercados dos Estados Unidos, da Escandinávia e de Israel.

No momento, aparelho está passando por testes na Rússia. O custo para o consumidor final deve ser de aproximadamente US$ 450, e a empresa pretende distribuir o smartphone por meio de parceiros.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.