Herança da 2ª Guerra, Fábrica de Kazan mantém liderança

Empresa opera atualmente aeronaves governamentais, incluindo o avião presidencial Tu-214

Empresa opera atualmente aeronaves governamentais, incluindo o avião presidencial Tu-214

Dmítri Petrotchenko/RIA Nôvosti
Distância em relação ao front livrou complexo de ataques alemães e possibilitou o desenvolvimento de aviões que não só superaram o conflito, como abriram vantagem em licitações militares no pós-guerra.

Assim como muitas empresas do complexo industrial militar russo, a Fábrica de Aviões de Kazan, uma das maiores do país, teve seu formato atual originado durante a Segunda Guerra Mundial. Até 1941, em vez de um grande complexo industrial unificado, a empresa consistia em dois centros fabris de escala menor – as fábricas aeronáuticas Moscovita e de Kazan.

A história se inicia com a Fábrica Aeronáutica Moscovita Gorbuvov S.P, fundada em 1927 como uma das primeiras empresas aeronáuticas da URSS. Antes da guerra, essa instalação era responsável pela construção de uma série de aviões peculiares, os chamados ANT, desenvolvidos sob orientação do projetista A.N. Tupolev. Entre eles havia bombardeiros de curto e longo alcance, caças e aviões de transporte que bateram inúmeros recordes aeronáuticos.

Já a construção da Fábrica Aeronáutica de Kazan teve início em 1932, e a usina logo se tornou uma base técnológica para a classe empresarial. As obras ocorreram em um ritmo impressionante. Como muitas outras fábricas construídas durante os planos quinquenais, a fábrica de Kazan foi erguida nas planícies abertas dos grandes charcos do Volga.


Construção da Fábrica Aeronáutica de Kazan em 1932 Foto: Press photo

A produção na Fábrica Aeronáutica de Kazan também foi iniciada com grande desenvoltura. Nos anos anteriores à guerra, foram produzidos bombareiros e aviões civis sob licença, comprada nos Estados Unidos. O conflito, no entanto, revelou a principal vantagem da fábrica: sua localização.

Por estar situada longe do front, livre de ataques aéreos alemães, a empresa começou a receber equipamentos industriais evacuados de diversas partes do país. Dessa forma, a fusão dos dois centros tornou possível o surgimento da moderna Fábrica de Aviões de Kazan.

Sucesso do pré ao pós

Durante o conflito, os trabalhadores da fábrica de Kazan quase não tinham tempo de ajustar a produção, já que as máquinas funcionavam 24 horas por dia. Os aviões eram enviados aos esquadrões de combate diretamente da linha de montagem.

Os dois centros especializaram-se na construção de bombardeiros. Os melhores modelos eram produzidos sob a coordenação do projetista V.M. Petliatov, conhecido pelos bombardeiros de mergulho Pe-2 e de longo alcance Pe-8. Todos os dias, mais de 10 unidades eram enviadas às linhas de frente.


Bombardeiros soviéticos Pe-2 rumo a operação militar Foto: Mark Redkin / TASS

Os números falam por si só: no total, a fábrica de Kazan entregou à Força Aérea mais de 10 mil bombardeiros. Somente em 1942, o nível de produção era oito vezes maior do que no período pré-guerra.

Essa experiência produtiva conquistada entre 1941 e 1945 concedeu à fábrica em Kazan uma grande vantagem nas licitações militares no pós-guerra.

Teste pela liderança

Após o término da Segunda Guerra, entrou em pauta o desenvolvimento de um novo tipo de avião estratégico capaz de realizar bombardeios nucleares. Na época, o bombardeiro norte-americano B-17, conhecido como “fortaleza voadora”, dominava os céus sem concorrentes.

Em 1949, a União Soviética desenvolveu sua própria bomba atômica, e resolver a questão do veículo aéreo capaz de transportá-la era fundamental. Paralelamente, a fábrica começou a desenvolver os bombardeiros Tupolev, sucessores dos ANT.

O primeiro avião da série, Tu-4, ficou pronto na metade de 1949 e teve 600 unidades produzidas. Foi substituído pelo Tu-16 que, ao contrário de seu antecessor, era movido a motores de jato. O Tu-22 quebrou a barreira do som e deu origem às versões modernizadas Tu-22 M e Tu-22M2.


Modelo Tu-4 no Museu da Força Aérea Central, nos arredores de Moscou Foto: Boris Kavachkin/TASS

Na década de 1980, a Fábrica de Kazan lançou um bombardeiro estratégico de longo alcance totalmente novo, o supersônico Tu-160, conhecido como “Cisne Branco”. Apesar da produção ter sido encerrada em 2008, há chances de uma nova versão se tornar o principal produto da empresa.  

A confiabilidade da linha de produção da fábrica é atestada pelos principais dirigentes da nação. Desde 1956, toda a liderança da União Soviética voava em aviões da família Tu-110, produzidos em Kazan. Atualmente, a empresa opera aeronaves governamentais, incluindo o avião presidencial Tu-214.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.