Top 3 dos sistemas de guerra eletrônica

Combates modernos estão aos poucos migrando para os cenários virtuais, onde os aparatos de guerra eletrônica (EW, na sigla em inglês) são usados para atacar, cegando radares inimigos, ou como meio de defesa contra mísseis. A Gazeta Russa revela os segredos dos três mais eficazes equipamentos de guerra eletrônica produzidos na Rússia.

1. Khibni: tempestade de raios e trovões

Foto: Press Photo

O aparentemente inofensivo contêiner instalado na ponta das asas dos aviões de combate é capaz de fornecer proteção contra os mais modernos meios de defesa antiaérea do mundo. Após alertar antecipadamente a tripulação de possíveis ataques, o sistema cria uma “capa eletromagnética” contra os possíveis mísseis atacantes, aumentando a capacidade de sobrevivência da aeronave em até 25 a 30 vezes.

Segundo o diretor-geral adjunto do Conglomerado Kret (desenvolvedor e fabricante do sistema EW), Vladímir Mikheev, os caças russos abatidos durante a campanha da Geórgia estavam sem tal proteção, o que causou as perdas devido à sua vulnerabilidade eletrônica.

2. Moskva-1: observador passivo

Foto: Press Photo

Com ajuda deste complexo radioeletrônico de combate, as tropas russas terão sua capacidade de consciência situacional aumentada, detectando e acompanhando alvos a distâncias de até 400 km (o atual Karpol possui um alcance de 150 km).

O sistema tem como sensor primário um radar passivo que não emite nenhum sinal – apenas capta, processa e analisa os sinais e ondas eletromagnéticas inimigas de forma furtiva, sem revelar a sua posição.

3. Khasukha-2: defensor dos Iskanders

Foto: Press Photo

Apesar do nome denotar uma certa amistosidade (krasukha, gracinha em russo), este poderoso sistema de guerra eletrônica foi projetado para destruir os maiores sistemas de controle e alerta aéreo antecipado (AWACS), promovendo a proteção eletrônica de sistemas de defesa aérea, pontos estratégicos, instalações terrestres e tropas deslocadas no terreno.

Os complexos de mísseis tático e estratégicos, como os Iskanders por exemplo, são indefesos no cenário eletrônico. Os Krasukhas serão capazes de “esconder” literalmente os Iskanders até o local e momento de lançamento de seus mísseis. Caso tenha de enfrentar aeronaves AWACS inimigas, o sistema é capaz de promover interferência e supressão de sinais em um raio de até 250 km. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.