Kremlin reforça presença russa na região do Ártico

Autoridades pretendem equipar a zona ártica com 13 aeródromos, um campo de treinamento de forças aéreas Foto: Aleksandr Riúmin/TASS

Autoridades pretendem equipar a zona ártica com 13 aeródromos, um campo de treinamento de forças aéreas Foto: Aleksandr Riúmin/TASS

Ilhas árticas pertencentes ao território russo ganharão em breve uma infraestrutura militar completa.

Na semana passada, um representante do Ministério de Defesa da Rússia entrevistado pela agência de notícias Tass informou que o comando limitar está sendo redistribuído para reforçar a presença russa na região do Ártico. Segundo ele, o processo de transferências já foi iniciado.

Para cumprir a missão, a circunscrição militar Ocidental será atribuída ao comando estratégico conjunto Sever da Frota do Norte, que também receberá uma parte das tropas do 1o comando das Forças Aéreas e Forças de Defesa Antiaérea, além de outras divisões de subordinação regional. Além disso, o novo comando será responsável por uma série de unidades e regimentos militares antes controlados pelas circunscrições Central e Oriental.

“Assim que a transferência das tropas entre o comando estratégico conjunto Sever e as circunscrições correspondentes for finalizada, as partes envolvidas assinarão os atos de transição”, explicou o representante. “A lista de candidatos para os cargos no comando estratégico conjunto Sever já foi aprovada pela administração e apresentada aos dirigentes do Ministério de Defesa. A previsão para a finalização do processo é de duas a três semanas.”

O processo de formação dos grupos de tropas sob o novo comando nos territórios árticos pertencentes à Rússia, inclusive no arquipélago Nóvaia Zemliá, ilhas Novossibírskie, ilha de Wrangel e cabo de Schmidt, encontram-se na sua fase final. “Os grupos foram incluídos no conjunto estratégico militar (CEM) que assumiu a proteção do país contra as intervenções militares no Ártico em outubro deste ano”, disse o representante do ministério.

O CEM recebeu armamentos e máquinas militares modernas, inclusive os complexos costeiros de mísseis Rubej e o complexo de lançamento de mísseis Pantsir-S1. “Outros sistemas e equipamentos militares serão fornecidos em breve.”

A criação do componente terrestre do novo comando, que será composto por duas brigadas árticas, também encontra-se em andamento. De acordo com o plano, uma delas, destinada à transferência para o local Alakurtti (na unidade federativa de Murmansk), será formada e preparada para atuar na região ártica em 2015, enquanto a segunda, provavelmente a ser deslocada para o distrito autônomo Iamalo-Nenetski, estará pronta em 2016. “No momento, os comandantes das unidades em questão estão sendo treinados pelos centros de formação das forças armadas para a realização das missões na zona ártica”, revelou o representante.

Desse modo, as ilhas árticas pertencentes ao território russo ganharão, em breve, uma infraestrutura militar completa. “Os referidos trabalhos de construção estão sendo realizados em regime ininterrupto e com alta velocidade.”

O tenente-general Mikhail Mizintsev, diretor do Centro Nacional do Controle de Defesa da Federação Russa, já havia anunciando que as autoridades do país pretendem equipar a zona ártica com 13 aeródromos, um campo de treinamento de forças aéreas e dez estações de radio localização e centros de direcionamento de aviões militares.


Publicado originalmente pela agência Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.