Empresa americana detecta vírus espião contra a Rússia

Hackers dos EUA e da China estão entre maiores fornecedores de programas espiões no mercado mundial  Foto: Getty Images/Fotobank

Hackers dos EUA e da China estão entre maiores fornecedores de programas espiões no mercado mundial Foto: Getty Images/Fotobank

Fabricante de antivírus americana Symantec considerou o novo vírus, intitulado Regin, como grave ameaça cibernética para a Rússia e sugeriu que um Estado pode estar por trás de sua criação.

O jornal “Financial Times” divulgou que a Symantec, uma das principais empresas de segurança de computador dos EUA, localizou um novo programa de hackers chamado “Regin”. Desenvolvido por um serviço de inteligência ocidental, o programa é dirigido sobretudo a companhias de telecomunicações da Rússia e da Arábia Saudita.

Segundo a empresa americana, o “Regin” seria capaz de espionar operadoras de telefonia móvel, grampear conversas telefônicas e acessar e-mails nos servidores da Microsoft.

O vírus “Regin” é um produto complexo e de alto nível com as características de vírus “multi-trojan”, que ainda não é detectado pelos programas antivírus disponíveis no mercado.

“Ele pode roubar senhas, informações pessoais, tirar fotos de telas de computador, recuperar arquivos apagados e enviar e-mails pessoais para outros endereços”, disseram representantes da Symantec. O “Regin” é visto como mais poderoso do que o “Stuxnet”, responsável pela desaceleração do programa nuclear iraniano em 2010.

Ainda de acordo com especialistas, o programa espião foi usado contra empresas privadas, mas infraestruturas estatais podem ser o seu principal alvo.

“O vírus ainda não representa perigo para as infraestruturas estatais, mas as empresas privadas devem tomar cuidado com a segurança da informação”, afirma Serguêi Nikitin, vice-chefe do Laboratório de Criminalística da Computação do Grupo IB.

Tensão on-line

O “Regin” não é o primeiro caso em que um país cria e lança vírus- espiões no software de infraestruturas importantes de outros Estados. “Basta tomar os exemplos de vírus complexos como Stuxnet, Duqu, Flame e Red October”, relembra Andrêi Prózorov, especialista de segurança da informação da InfoWatch.

As tensões geopolíticas nas relações entre a Rússia e o Ocidente podem estar ligadas ao fato de a informação sobre o vírus ter aparecido neste momento, sugere Aleksêi Lukatski, consultor de segurança da informação da Cisco na Rússia.

“Nas informações sobre o vírus há muitos fatos embelezados. Não há provas de como o ‘Regin’ funciona, quem realiza as escutas de todo o tráfego de voz das operadoras móveis e a quem é transmitida a informação”, diz Lukátski.

O acordo entre os Estados Unidos e a Rússia sobre “medidas de confiança no ciberespaço”, bem como a comissão presidencial bilateral de confiança nessa esfera, deixaram de operar em meados deste ano por causa da tensão entre os dois países.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.