Governo cria centro para monitorar conjuntura militar global

Concentração de informação aumentará eficiência de controle das atividades do Ministério da Defesa, Exército e Marinha Foto: RIA Nóvosti

Concentração de informação aumentará eficiência de controle das atividades do Ministério da Defesa, Exército e Marinha Foto: RIA Nóvosti

O Centro Nacional de Gestão em Defesa dará início a suas atividades a partir de 1 de dezembro. A partir de um local secreto, o novo órgão federal da Rússia deve agilizar o processo de tomada de decisões, bem como acompanhar e coordenar as diversas fases de fabricação e manutenção dos principais equipamentos das Forças Armadas.

Os fluxos de informação militar serão concentrados em um único canal estatal: o Centro Nacional de Gestão em Defesa. Isso permitirá analisar, em tempo real, em que situação e estado de prontidão estão as tropas das Forças Armadas e os departamentos do Ministério da Defesa.

“Essa velocidade de processamento é necessária para que se tome decisões na hora H, principalmente quando observa-se intensas mudanças nas situações presentes”, disse à Gazeta Russa o chefe do Comando de Operações Centrais do Estado-Maior, o general Andrêi Kartapôlov.

A concentração de informação aumentará, assim, a eficiência de controle das atividades do ministério, Exército e Marinha, bem como a rapidez na tomada de decisão por parte do Comando e dos altos funcionários do governo.

Na estrutura do novo centro serão incluídos o Comando das Forças Estratégicas Nucleares, o Centro de Comando e Controle e o Centro de Operações das Forças Armadas russas. Para compor o conselho deliberativo, membros de outros ministérios e agências, como o Ministério para Situações de Emergência, o Serviço Federal de Segurança e o Serviço de Fronteira, também vão trabalhar em conjunto.

Isolado e protegido

Um poderoso complexo computacional será a base virtual do Centro Nacional de Gestão em Defesa. Planeja-se que tanto o hardware quanto o software utilizados venham suprir as necessidades atuais e futuras no processo de tomada de decisão. O sistema central será capaz de simular crises político-estratégicas no âmbito interno e externo.

O prédio onde será localizado o órgão foi construído conforme exigências rígidas, e deve suportar até mesmo um ataque nuclear. “Na verdade, a maioria das bases estratégicas russas são construídas segundo tais exigências”, disse Kartapôlov.

“Cada entidade enviará um representante para o monolito central, isto é, o quadro estrutural de decisões do Centro de Defesa”, explicou Kartopôlov. No entanto, o comando direto das Forças Armadas e de toda estrutura militar do país ainda continuará sob responsabilidade do Ministério da Defesa, que, em caso de ameaça, é o primeiro a ser acionado.

O novo centro ainda irá acompanhar e coordenar as diversas fases de fabricação e manutenção dos principais equipamentos das Forças Armadas, desde a assinatura do contrato, passando pela fase de testes até a entrega dos primeiros exemplares às respectivas unidades militares. “Será responsabilidade do novo Centro a gestão e segurança dos novos equipamentos, principalmente em relação ao armazenamento, recrutamento e treinamento das tripulações de combate.”

Sucesso comprovado

 De acordo com o chefe do Comando de Operações Centrais, o novo centro não irá duplicar as funções do atual Estado-Maior das Forças Armadas, que tem por objetivo a formulação do planejamento atual e perspectivas de longo prazo.

O Centro Nacional de Gestão em Defesa terá tarefas decisórias para o curto prazo, principalmente sobre grandes eventos, funcionando com base nas diretrizes definidas pelo Estado-Maior. Sua principal função será a coleta de informações das estruturas mais importantes para a defesa, bem como o acompanhamento da execução de tarefas específicas.

“Creio que a criação dessa nova estrutura é plenamente justificada. Se realmente será eficaz, somente o tempo irá dizer. No entanto, se tomarmos como exemplo o recente exercício estratégico Vostok 2014, as ações de controle a partir de um centro unificado se mostram eficientes”, concluiu Kartapôlov.

No exercício estratégico Vostok 2014, o protótipo do Centro Nacional de Gestão em Defesa realizou, em turnos de 24 horas, o monitoramento de todas as atividades. Utilizando o sistema de localização por satélite Glonass e outros equipamentos tecnológicos, os comandantes puderam acompanhar todas as fases do exercício em tempo real. A experiência realizada também serviu de exemplo para outros ministérios e agências, assim como para o aprofundamento dos canais de comunicação entre as tropas e a central.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.