Cientistas criam novo medicamento contra o melanoma

Os medicamentos que os cientistas atualmente possuem não permitem uma luta eficiente contra a doença Foto: PhotoXPress

Os medicamentos que os cientistas atualmente possuem não permitem uma luta eficiente contra a doença Foto: PhotoXPress

Ação do medicamento passa pelo desbloqueio do sistema imunológico do doente para que este comece, desde o início, a combater o tumor.

Um grupo de investigadores da empresa de São Petersburgo BIOKAD criou um medicamento inovador na luta contra o câncer de pele. O preparado estimula a destruição do tumor por parte do sistema imunológico do paciente sem afetar os tecidos saudáveis.

Os médicos consideram que o novo preparado, BCD-100, será um avanço no tratamento  deste tipo de doença. O melanoma é letal para 80% dos pacientes.

Com o melanoma em fase avançada, os doentes morrem meio ano após o diagnóstico. Graças a esse preparado da empresa BIOKAD, até nesses casos é possível travar o desenvolvimento da doença e prolongar a vida das pessoas.

A ação do medicamento passa pelo desbloqueio do sistema imunológico do doente para que este comece, desde o início, a combater o tumor, contou à Voz da Rússia o vice-presidente da empresa, Roman Ivanov:

“Para o sistema imunológico do organismo, o tumor é um corpo estranho, como um vírus ou uma bactéria. Normalmente, as células malignas do organismo se espalham e destroem o sistema imunológico. Em casos raros, elas encontram formas de ‘sair’ e desenvolve-se a doença oncológica. Nesse caso, um dos mecanismos fundamentais passa pela interação das células cancerígenas com a proteína PD- 1, que é como se desligasse o sistema imunológico da pessoa. O tumor ganha a oportunidade de crescer ilimitadamente. Se bloquearmos essa proteína então ela deixa de ser invisível para o sistema imunológico, que acorda, levando a uma grande remissão nos doentes.”

Os medicamentos que os cientistas atualmente possuem não permitem uma luta eficiente contra a doença. O efeito clínico sobre o crescimento da metástase chega a apenas 10% dos casos. Já o recurso a bloqueadores da proteína PD-1 leva à parada do crescimento do tumor em 40% dos pacientes. É por isso que a orientação para o sistema imunológico da pessoa é a orientação mais vanguardista da farmacologia atual, diz Ivanov:

“O futuro está nessas terapias, pois o tumor ganha rapidamente resistência medicamentosa. Ele cresce e sofre mutações, desenvolve os seus mecanismos de ‘defesa’ face aos preparados. Já o sistema imunológico evolui de forma quase paralela ao tumor, modificando-se em respostas aos desafios do tumor em mutação. O sistema imunológico é a melhor resposta na luta com as células cancerígenas.”

Versão russas

Em setembro de 2014, foi registrado, nos EUA, o preparado da empresa Merck, que tem um princípio ativo semelhante. Mas o russo tem um conjunto de vantagens. Especificamente, o análogo norte-americano é de origem animal. O anticorpo retirado do organismo dos animais tem efeitos sobre o organismo do paciente, podendo causar reações alérgicas, pois, pela sua natureza, é estranho ao ser humano.

O preparado russo tem por base moléculas dos linfócitos humanos e por isso não tem esse efeito secundário. Além disso, o medicamento russo tem um maior período de permanência no organismo, reduzindo o número de vezes que tem de ser ministrado ao paciente.

Em 2015, começarão os testes pré-clínicos do preparado e, passados três anos, este já deverá estar disponível no mercado.


Publicado originalmente pela Voz da Rússia

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.