Russian Helicopters cria modelo para a região do Ártico

Os especialistas afirmam que o mercado internacional de helicópteros também poderá oferecer modelos atuais Foto: "Russian Нelicopters, JSC"

Os especialistas afirmam que o mercado internacional de helicópteros também poderá oferecer modelos atuais Foto: "Russian Нelicopters, JSC"

O aumento da demanda por transporte e armamento que se adapte ao Ártico levou à criação de um veículo para condições climáticas extremas pela Russian Helicopters.

Para fortalecer as forças armadas no Ártico, a Rússia desenvolveu helicópteros especiais que podem operar nas condições climáticas extremas dessa região: os mais novos modelos são o militar Mi-8AMTSh-VA e o civil Mi-38.

A novidade é capaz de realizar missões de combate em condições climáticas extremas e operações de busca e salvamento. O desenvolvimento da segurança militar no Ártico russo está relacionada com conflitos de propriedade nos territórios dessa região rica em petróleo e gás. Muitos países querem aumentar sua presença no Ártico, incluindo os Estados Unidos e a Rússia.

O aumento da demanda por transporte e armamento que se adapte às condições do Ártico levou à criação de um veículo para condições climáticas extremas.

“Estamos desenvolvendo os Mi-8/17, que funcionam bem no clima do Ártico”, diz o porta-voz da Russian Helicopters. “O modelo militar entrou em fase de produção, já começamos a montar o helicóptero. O civil Mi-38 ainda está em fase experimental, estamos realizando testes finais”, completou.

Ambos os veículos pertencem à família soviética Mi-8, utilizados em mais de 50 países.

Equipada com uma armadura blindada e armamento em seis suportes, a novidade tem a parte traseira protegida com uma metralhadora Kalashnikov dirigida por controle remoto. O novo modelo AMTSh também tem armamento adicional: mísseis antitanque guiados "Atak" e "Shturm", mísseis guiados ar-ar e um novo componente eletrônico que ajuda a resolver problemas de navegação quando o sinal de satélite é perdido.

"O Mi-8AMTSh-VA é adequado para áreas com condições climáticas extremas do Ártico", diz diretor de departamento de contratos públicos da Russian Helicopters, Aleksêi Pútintsev. “O helicóptero pode funcionar em condições específicas de temperaturas baixas e visibilidade reduzida, mesmo durante a noite polar”, completou.

Mi-38

O helicóptero civil Mi-38 serve para transportar objetos pesados. Ele também é capaz de transportar pessoas e carga para o Ministério da Defesa da Rússia, pode levar cargas de até 6.000 quilos e uma tripulação de até 30 pessoas. Esse helicóptero também pode ser usado para missões de resgate ou como ambulância aérea.

Espera-se que o Mi-38 também seja utilizado para trabalhar no mar. A velocidade de transporte de helicóptero é cinco vezes maior do que a do barco. Os helicópteros são os principais meios de transporte para conectar as plataformas de petróleo com o continente.

Mais testes

O especialista independente Vladímir Karnozov afirma que o novo Mi-38 ainda não está preparado para trabalhar na região do Ártico.

“É preciso testar a aeronave em clima quente antes de trabalhar no Ártico”, diz.

“Em geral, as novas modificações do Mi-8 não oferecem soluções radicalmente novas. Provavelmente, os produtores vão modificar os sistemas de combustível e lubrificantes e adicionarão dispositivos eletrônicos. Não podemos chamar esse processo de modernização completa. No entanto, o Mi-38 será realmente um helicóptero de nova geração”, diz Karzonov.

Os especialistas afirmam que o mercado internacional de helicópteros também poderá oferecer modelos atuais. Em 2012, a empresa russo-italiana HeliVert mostrou o primeiro helicóptero AgustaWestland AW139 produzido na Rússia. No entanto, o Kremlin está impulsionando o desenvolvimento de modelos totalmente russos. Devido às novas sanções dos países ocidentais, a participação de empresas estrangeiras em grandes projetos estatais russas continuará a diminuir.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.