Rússia vai parar de produzir sistema de defesa antiaérea S-300

Os sistemas S-400 substituíram os da família S-300P e já estão sendo fornecidos às tropas Foto: ITAR-TASS

Os sistemas S-400 substituíram os da família S-300P e já estão sendo fornecidos às tropas Foto: ITAR-TASS

Uma fonte esclareceu, no entanto, que a produção de componentes para o sistema de mísseis continuará e até mesmo crescerá no futuro próximo.

No próximo ano, as empresas russas pararão completamente a produção do sistema de mísseis S-300 tanto para as forças armadas do país quanto para a exportação.

A informação é de uma fonte da agência ITAR-TASS na Corporação Industrial Unida (OPK na sigla em russo), que esclareceu que a produção de componentes para o S-300 continuará e até mesmo crescerá no futuro próximo.

"É necessário manter a prontidão de combate dos sistemas que compõe o arsenal, que, segundo nossas estimativas, serão uma arma de defesa antiaérea eficaz por mais dez anos", disse a fonte.

Segundo ele, o S-300 é um "produto com experiência", que será substituído por uma série de sistemas de nova geração.

"Para nossas forças armadas, o principal sistema torna-se o S-400. Paralelamente, a utilização dos sistemas da família S-300 continua, e a extinção da produção não vai acontecer instantaneamente," disse ele, observando que agora a política de marketing dos fabricantes russos de sistemas de defesa antiaérea no mercado externo será focada na promoção do S-400.

Histórico

O S-300 não é um modelo concreto, mas uma família completa de sistemas, que se diferenciam tanto pelas tarefas como pelas características. Em 2011, a mídia já havia anunciado a descontinuação da sua produção, mas na realidade tratava-se apenas de modificações dos S-300PS e S-300PM.

"O último sistema de S-300PM para o exército russo foi produzido aproximadamente em 1994. Desde então, a Rússia vinha produzindo tais sistemas só para exportação. Agora, as novas encomendas do S-300 para exportação também foram descontinuadas", declarou, há dois anos, o co-presidente do conselho de perícia não-departamental de defesa aeroespacial, Ígor Achurbeili.

Os sistemas S-400 substituíram os da família S-300P e já estão sendo fornecidos às tropas. Hoje, sete regimentos estão equipados com eles. No exterior, esses sistemas não estão disponíveis, embora muitos queiram comprá-los. É exatamente isso que explica o fim do interesse de países estrangeiros no S-300P.

Mas existem ainda os sistemas S-300V e suas modificações, desenvolvidos por um escritório de construção totalmente diferente, que ainda são fabricados e fornecidos às tropas. Ele é feito em outra base de componentes e projetado para resolver tarefas de defesa antiaérea de tropas, e não de instalações como o S-300P.

No momento, o mais recente desenvolvimento desta série é o S-300V4, que, pelo programa estatal de rearmamento, será fornecido às tropas até 2020. Nem mesmo se falou da redução de sua produção. Trata-se de uma versão modernizada dos sistemas S-300V e S-300VM, que garante a destruição de mísseis balísticos e alvos aerodinâmicos em distâncias de mais de 300 km.

O S-300V4 teve aumentadas as capacidades de combate, o que foi possibilitado pela introdução de novos componentes, pelo uso de componentes avançados e recursos de computação.

No ano passado, o exército russo recebeu três divisões do sistema de mísseis S-300V4. Outras três divisões devem ser entregues até o próximo ano.

 

Publicado originalmente peloVzgliad

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.