Marinha vai receber aviões antissubmarino modernizados

Agora, finalmente, o avião recebeu uma versão atualizada de seu principal sistema de combate Foto: Press Photo

Agora, finalmente, o avião recebeu uma versão atualizada de seu principal sistema de combate Foto: Press Photo

IL-38, projetado para rastrear e destruir submarinos inimigos, está equipado com um dispositivo de mira novo e tornou-se mais um exemplo de como plataformas há muito tempo testadas pelo Exército e pela Marinha ganham vida nova após passar por uma modernização.

A Marinha russa vai receber aviões antissubmarino modernizados IL-38.

O IL-38, uma versão militar do famoso avião de passageiros IL-18, realizou o seu primeiro voo ainda no distante ano de 1961. Naquele tempo, a aeronave foi equipada com o sistema de mira e navegação Berkut. A principal tarefa dos ILs era patrulhar as águas territoriais nas proximidades da costa russa em busca de submarinos inimigos. De acordo com a concepção dos designers, a tripulação não só seria capaz de detectar um submarino inimigo, como também de destruí-lo com a ajuda de torpedos.

Já naquela época, os militares haviam reconhecido que o Berkut não era tão bom quanto o desejado. E ele se mostrava significativamente inferior ao seu concorrente americano P-3C Orion, uma vez que estava estritamente focado no combate aos submarinos. O Orion, porém, era capaz de abordar não só os submarinos, como também os navios de superfície e, além disso, realizar patrulhas oceânicas e operações de radio reconhecimento. Uma modernização completa do sistema acabou não sendo feita.

Agora, finalmente, o avião recebeu uma versão atualizada de seu principal sistema de combate. De acordo com os designers, o sistema Novella é capaz de detectar alvos aéreos a uma distância de até 90 km e, no caso de alvos na superfície da água, de até 320 km. Além disso, o sistema mantém, simultaneamente, 32 alvos no campo de visão, tanto acima da superfície da água como abaixo dela. Pode ser utilizado na condução de reconhecimento subaquático, de superfície e aéreo, via radar e fornece a localização do alvo. O sistema congrega um computador digital com estações de controle para dois operadores, cada uma das quais equipada com telas de cristal líquido de 13 polegadas e uma estação para o comandante, equipada com um monitor grande.

Análogo do Poseidon

"Todos os blocos estão interligados através de conectores de barramento especiais. Esta solução permite integrar qualquer dispositivo de mira de acordo com a escolha do cliente”, enfatiza Iudin, diretor geral da JSC IL. “De modo geral, resultou um perfeito análogo do moderno P-8 Poseidon americano."

"Esse avião irá aumentar significativamente o potencial de combate do componente antissubmarino da Marinha”, afirma o comandante do 859º centro para uso operacional e reciclagem de pilotos da aviação naval da Marinha russa, major-general Aleksêi Serdiuk. “O desempenho da busca aumentou em quatro vezes."

O avião modernizado será capaz de executar tarefas numa área que supera em quatro vezes a área de trabalho anterior do IL-38. A fuselagem do avião permite executar tarefas em zonas marítimas próximas e distantes.

Velocidades supersônicas não são necessárias para a realização de busca, detecção, rastreamento e destruição de um submarino moderno. A vantagem do IL-38 está no fato de que ele possui um alcance de voo de 2,2 mil quilômetros. Isso é totalmente suficiente para, patrulhando sem pressa ao largo da costa, realizar o reconhecimento. No caso de um submarino ou um destacamento de navios serem detectados através de outros meios da Marinha, o IL-38 chegará ao local à frente da força principal e poderá iniciar a perseguição ou até mesmo um ataque contra o alvo ou todo um grupo de alvos.

Nova vida para armas antigas 

O arsenal da aeronave contém 9 toneladas de carga bélica: torpedos,  bombas antissubmarino, minas navais, contêineres para resgate, sinalizadores marinhos (bombas marinhas de referência Omaboe-12D) e até mísseis de cruzeiro antinavio. Com base no contrato firmado com o Ministério de Defesa da Rússia, a JSC IL está modernizando cinco IL-38.

Em alguns casos, a modernização é mais vantajosa do que a criação de sistemas de armas inteiramente novos. Acima de tudo, isso se deve ao fato de que nas atuais condições não seria tecnicamente e economicamente viável produzir de novo alguns portadores de mísseis, tais como os cruzadores do projeto 1144. Da mesma forma, não seria possível construir, “do zero”, novos IL-38. Mas substituindo neles os recursos eletrônicos e de ataque, é possível não apenas economizar dinheiro, como também melhorar seu potencial de combate.

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad  

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.