Armas dos cosmonautas soviéticos

A arma foi produzida até o final da década de 1980 Foto: divulgação

A arma foi produzida até o final da década de 1980 Foto: divulgação

Alguma vez você já se perguntou como os cosmonautas se defenderiam se fossem atacados no espaço. Como seriam suas armas? A Gazeta Russa foi atrás da resposta.

Os cosmonautas soviéticos viajavam armados para o espaço, mas as armas levadas ao cosmo eram mais tradicionais –uma pistola de três canos que parecia sobretudo uma espingarda de caça de cano serrado.

Apesar do fato de na União Soviética o tema não ser tratado abertamente, os cosmonautas, desde Iúri Gagárin, voavam para o espaço armados, equipados com pistolas Makarov comuns –as mesmas que a polícia usava. A justificativa era a autodefesa depois do pouso contra “animais selvagens e elementos criminosos”. Desde então, não havia planos de equipar os pilotos soviéticos com uma arma dedicada, até que em 1965 Aleksêi Leonov e Pavel Beliaiev sofreram um pouso de emergência em plena floresta.

Ursos

Devido à demora das equipes de resgate em encontrar os cosmonautas acidentados, Leonov e Beliaiev tiveram que passar vários dias na floresta fechada. Mesmo depois de serem encontrados, devido à densidade das árvores, os helicópteros somente podiam “pairar sobre nós e constatar que estávamos cortando galhos e preparando fogueiras”, relata Leonov ao relembrar do episódio.

Os cosmonautas prepararam um abrigo precário que não era capaz de conter animais silvestres ferozes, principalmente ursos famintos que estavam acordando de suas longas hibernações (era março). Apesar dos cosmonautas atirarem para o alto com o objetivo de afugentar tais animais, acabou por apenas atiçar a curiosidade deles.

“Com a Makarov, nós somente podíamos atirar”, lembra Leonov com uma dose de ironia amarga. Foi ele, mais tarde, quem deu início à criação de uma arma especial de sobrevivência em caso de pouso de emergência.

Sonho dos pastores e caçadores

O desenvolvimento da nova arma ficou sob responsabilidade do engenheiro-chefe da Fábrica de Armas de Tula, Vladímir Paramanov, que baseou o projeto em três ramos distintos: em um revólver, em uma espingarda semi-automática e em uma arma de cano triplo. Acabou que a última se mostrou mais adequada às funções de proteção contra animais perigosos e elementos criminosos, bem como na preparação de alimentos e no fornecimento de flashes para localização e obtenção de fogo. A arma era constituída por três canos: dois superiores de calibre 32 e um inferior raiado que utilizava um cartucho de calibre 5,45 mm. Este cano inferior era municiado com a munição SP-P, e os dois superiores de calibre 32 utilizavam munições SP-D (gauge) e SP-S (sinalizadora).

Os trabalhadores da fábrica de Tula apelidaram carinhosamente a nova arma de “Sonho de Caçador”, mas sua denominação oficial é TP- 82 Sonaz (Arma de Fogo Portátil de Emergência, na sigla em russo).

A Sonaz foi adotada oficialmente em 1986. No mesmo ano, a pistola foi levada ao espaço por uma tripulação conjunta franco-soviética.

Em 1983, a empresa americana Savage apresentou à Nasa uma pistola análoga à TP-82 sob a designação 24-VS. Outra companhia, a Randall, preparou facas especiais, denominadas Astro 17, para equipar os kits de primeiros socorros. Entretanto, não se sabe se os americanos levam tais artefatos para o espaço.

A TP-82 era composta também por um facão-machete. Ele podia ser usado para cortar lenha e ficava embutido na estrutura da coronha. Com os galhos afiados pelo facão era possível caçar animais de pequeno porte, como passáros, lebres e outros roedores. Caso precisassem enfrentar alces e javalis, os cosmonautas utilizariam as bocas de fogo. Acompanhava o kit de sobrevivência 11 munições SP-P, 10 SP-D e 5 SP-C.

A arma foi considerada confiável no “estilo russo”. Para isso, como lembra o chefe do Setor de Treinamento e Preparação de Cosmonautas para Situações de Emergência, Nikolai Filátov, “submeteram a arma a duros testes, como submersão em água, lama e areia”.

O especialista também relatou que pastores cossacos ofereceram aos cosmonautas escambo quando souberam da eficácia da Sonaz. Estavam dispostos a trocar por um rebanho de ovelhas e houve um caso em que um  pastor teria oferecido a própria esposa. A arma foi muito requesitada também por pilotos, geólogos, viajantes e caçadores. Depois de algum tempo surgiram cópias, como a Vepr-1 e Vepr-2.

A arma foi produzida até o final da década de 1980. Posteriormente, a versão oficial foi descontinuada alegadamente por dois motivos –o grande número de exemplares produzidos e as dificuldades financeiras enfrentandas pela fábrica no período pós-Perestróika, forçando a administração a focar em produtos não-exóticos (apesar de este motivo não ser reconhecido até hoje).

Renascimento da lenda?

O destino pós-soviético da TP-82 é pouco conhecido. Em 2007, vazou a informação para a imprensa de que, devido ao prazo de validade vencido da munição da Sonaz, o comandante da 16a Missão à ISS (Estação Espacial Internacional) recebeu momentos antes do voo uma pistola Makarov.

Não se sabe se a TP-82 ou alguma análoga acompanham os cosmonautas em seus voos. Todavia, em 2008, o famoso especialista americano e ex-engenheiro da Nasa, James Oberg, exigiu a remoção de armas de fogo russas da ISS. Oberg defendia que os aparatos ofereciam perigo às tripulações e que o espaço não é lugar de arma de fogo, tendo em vista que lá as pessoas trabalham constantemente sob condições de grande estresse e tensão mental.

Por outro lado, os especialistas russos discordam deste ponto de vista. De acordo com o chefe do Setor de Treinamento Especial do Centro de Preparação de Cosmonautas, Iúri Gizdenko, a necessidade de armas nos voos espaciais é demonstrada pela prática. Dessa forma, ainda é cedo querer eliminar a TP-82 da lista de equipamentos essenciais à exploração espacial.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.