Mercado local volta a investir em dirigíveis

Foto: wikipedia.orgA esfera de aplicação de tais aeronaves primeiramente para uso civil está sendo ampliada constantemente

Foto: wikipedia.orgA esfera de aplicação de tais aeronaves primeiramente para uso civil está sendo ampliada constantemente

Embora antes na Rússia tais aparelhos aeronáuticos fossem subestimados em certa medida apesar do seu progresso no exterior, hoje a situação está mudando para melhor.

O consórcio Vega, principal empresa do setor radioeletrônico da Rússia, começou a testar um conjunto de dirigíveis de nova geração.

A esfera de aplicação de tais aeronaves primeiramente para uso civil está sendo ampliada constantemente. No setor do petróleo e gás, estes aparelhos são utilizados para o transporte e montagem de equipamentos de perfuração e durante a construção de plataformas de perfuração no mar. Além disso, dirigíveis podem ser empregados na construção de usinas nucleares e hidrelétricas e na montagem de linhas de transmissão de energia elétrica.

Ao mesmo tempo, estruturas militares, inclusive o Ministério da Defesa, mostram-se interessadas em adquirir tais equipamentos. O Ministério da Defesa já começou a utilizar alguns modelos desses aparelhos. Dirigíveis são eficazes no patrulhamento,  monitoramento técnico e aerofotografia. Hoje, o setor de construção de dirigíveis especiais e aeróstatos militares está sendo desenvolvido rapidamente.

Diversos usos

Em dirigíveis podem, por exemplo, ser montados elementos de sistemas de aviso de ataques de mísseis. Engenheiros russos estão desenvolvendo sua atividade levando em consideração essas tendências. Embora antes na Rússia tais aparelhos aeronáuticos fossem subestimados em certa medida apesar do seu progresso no exterior, hoje a situação está mudando para melhor. O diretor-geral do consórcio Vega, Vladímir Verba, afirma que estão sendo obtidos resultados que inspiram otimismo:

“Uma empresa do consórcio elaborou um novo material composto de tecido e película para aparelhos aeronáuticos e começou sua produção em série. Apresentamos para testes ao Ministério da Defesa, como cliente estatal, um conjunto de dirigíveis multifuncionais de amarração de nova geração, desenvolvido por especialistas do Vega”.

Os dirigíveis desse conjunto são fabricados principalmente com a utilização do novo material. O consórcio, por sua iniciativa, efetuou vários trabalhos de pesquisa científica e de projeção. Foram testados dirigíveis de amarração no início de junho na cidade de Kirzhach, da região de Vladímir, com resultados positivos, destaca Vladimir Verba:

“Quanto à carga útil, ela pode ser diversa, incluindo radares de detecção de meios de ataques aeroespaciais que podem aparecer nos próximos tempos. Hoje dispomos de tais equipamentos e trabalhamos ativamente para montá-los em dirigíveis e aeróstatos.”

Na composição do consórcio entra uma empresa que está construindo aparelhos aeronáuticos de nova geração. Na opinião de especialistas, dirigíveis podem ser utilizados muito eficazmente para dar cobertura a fronteiras. Nesses aparelhos podem ser montados radares e equipamentos especiais destinados para o controle do narcotráfico. Os aparelhos são instalados numa altitude de vários quilômetros.

O consórcio Vega já alcançou bons resultados desenvolvendo conjuntos de dirigíveis móveis no interesse do Ministério da Defesa. Ao mesmo tempo, o dirigível de carga de destino civil, produzido em série, deve, na opinião de especialistas, superar pela capacidade de carga o helicóptero Mi-26, capaz de transportar cargas de até 25 toneladas. O raio de ação desse aparelho não deve ser inferior a 1.000 quilômetros. A Avgur, a companhia russa mais avançada de construção de tais dirigíveis, já desenvolveu várias variantes de aparelhos em ação e está elaborando projetos de dirigíveis de grande capacidade de carga.


Publicado originalmente pela Voz da Rússia

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.