7 tanques lendários de fabricação soviética

Veículos eram não só são uma arma perigosa, mas também um símbolo de poder e força da URSS.

1. MS-1 (T18)

O MS-1 (T-18) foi o primeiro tanque soviético produzido em série. No total, foram fabricados cerca de 960 unidades. Essa máquina participou pela primeira vez de um conflito na Ferrovia Transmanchuriana, em 1929. O ataque de 9 tanques colocou em fuga a infantaria chinesa.

Foto: divulgação

Na segunda metade dos anos 1930 e no início dos anos 40, muitas dessas máquinas eram usadas como bases fixas de tiro nos territórios fronteiriços do Extremo Oriente e do Istmo da Carélia. Relatos confirmam a participação de modelos MC-1 também nos primeiros meses da Segunda Guerra Mundial. Hoje em dia, entretanto, não existem mais do que 10 tanques MS-1 como itens de museu e monumentos.

2. BT-7

Foto: RIA Nóvosti

O BT-7 era um tanque rápido, cuja estreia aconteceu nas operações militares contra as forças japonesas, no verão de 1938. Mas o melhor do BT-7 seria revelado apenas no ano seguinte, nas batalhas de Khalkhin Gol, na Mongólia, onde mostrou seu potencial de velocidade e manobrabilidade nas estepes.

Na fase inicial da Segunda Guerra Mundial, o BT-7 não ficava atrás da maioria dos tanques alemães e foi utilizado até a primeira metade de 1942. O episódio final na biografia do BT-7 foram as guerras de fronteira soviético-japonesas, em agosto e setembro de 1945. Na época, esses tanques já obsoletos faziam parte do segundo batalhão dos regimentos blindados e acabaram sendo substituídos pelos mais potentes T-34 e IS-2.

3. T-34/76

Foto: ITAR-TASS

Um dos melhores tanques médios do seu tempo. Combinava em si uma boa proteção da blindagem com armas potentes. Pelo menos até meados de 1942 poucos eram os adversários que conseguiam lhe fazer frente. Não era raro os T-34 continuarem operacionais depois de serem várias vezes atingidos.

Com o aparecimento, em 1943, de equipamento pesado no lado do inimigo, o T-34 foi também submetido a remodelação. A sua blindagem foi reforçada, um quinto membro foi acrescentado à tripulação e o tanque ganhou um novo canhão de 85 mm, capaz de, a curta e média distância, causar estragos em praticamente todos os tanques alemães.

Os novos T-34/85 começaram a ir para a frente de combate a partir de março de 1944. O T-34 estava longe de ser ideal, mas era simples de construir e fácil de manobrar, tendo sido também o tanque com maior número de exemplares fabricados no mundo. Na segunda metade do século 20, os T-34 continuaram sendo usados em conflitos até os anos 1990 na guerra da Iugoslávia.

4. KV-1

Foto: RIA Nóvosti

Esse tanque soviético pesado passou pelos primeiros testes militares nas últimas semanas da Guerra Soviético-Finlandesa. Em 1941, o KV era considerado um dos tanques pesados mais fortes do mundo. “Não havia praticamente meios para lidar com aquele monstro. A tentativa de destruí-lo com o fogo de uma bateria antitanque de 50 milímetros a uma distância de 500 metros levou a grandes perdas”, diz um documento alemão da época. Com o tempo, a maior parte dos KV se perdeu não por ação dos combates, mas por avarias e falta de combustível. No final de 1943, deu lugar aos modelos IS.

5. IS-2

Foto: RIA Nóvosti

O IS-2 (Iossif Stálin) era, assim como o seu antecessor KV-1, um tanque pesado. Foi criado para romper posições inimigas fortemente fortificadas e combater outros tanques pesados. Na ofensiva de Lvov-Sandomierz, dois IS-2 conseguiram, em apenas dois dias, destruir 17 tanques e canhões autopropulsados alemães. O IS-2 era insubstituível como arma de assalto, especialmente no caminho para Berlim e perto de Königsberg. No pós-guerra, o tanque foi remodelado e se manteve em serviço nas Forças Armadas até 1995. 

6. T-54

Foto: ITAR-TASS

O T-54 foi criado com base na experiência da Segunda Guerra Mundial e se tornou um dos itens mais importantes em conflitos militares da segunda metade do século 20. O modelo original e sua posterior atualização com proteção nuclear, o T-55, foram usados na Hungria (1956), Tchecoslováquia (1968), Vietnã e em guerras no Oriente Médio até o início do século 21. Um dos últimos conflitos onde se pôde ver o T-55 em ação foram as ações militares na Ossétia do Sul, em 2008.

7. T-72

Foto: ITAR-TASS

A produção de modelos T-72 foi iniciada em 1973. Desde o conflito no Líbano, em 1982, esse tanque passou a ser amplamente utilizado em guerras no Oriente Médio e no território da ex-União Soviética. De todos os tanques da lista, é o mais popular de produção soviética –ele está, ou esteve, ativo nas Forças Armadas de quase 40 países.

 Publicado originalmente pelo Russian7.ru

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.