Substituto do helicóptero Mi-8 ficará pronto até 2020

Helicóptero entre 10 e 12 toneladas poderá levar até 24 pessoas Foto: Press Photo

Helicóptero entre 10 e 12 toneladas poderá levar até 24 pessoas Foto: Press Photo

Desenvolvimento de máquina de alta velocidade custará mais de 233 milhões de dólares. A velocidade, porém, não será o princípio fundamental da futura criação. Aposta será nos princípios ditados pelo mercado, como maior autonomia de voo e capacidade.

O projeto do helicóptero de alta velocidade “Rachel” foi apresentado no Salão Aeroespacial  “Farnborough-2012”, no Reino Unido, prometendo minimização os custos de operação e preço razoável. Mas somente agora chegou o momento de transferir os planos do papel para os ares. O “Rachel” faz parte do programa federal “Desenvolvimento da aviação civil russa”, cujos parâmetros determinam que os helicópteros garantam uma autonomia de voo de até 1,5 mil quilômetros e transporte adaptado para indivíduos VIP.

“Estamos falando do desenvolvimento de longo prazo de um helicóptero de alta velocidade que irá receber, até 2020, uma série de certificados para a produção em massa”, declarou o vice-ministro de indústria e comércio russo, Iúri Slusar, sobre a máquina que irá consumir cerca de 233 milhões de dólares em investimentos.

Na primeira fase do programa de desenvolvimento, será estabelecido um limite mínimo de velocidade de cruzeiro entre 300-350 km/h, e, na segunda etapa, 450 km/h. O helicóptero deverá pesar entre 10 e 12 toneladas e, com base na versão de passageiros, terá uma capacidade de até 24 pessoas. O novo aparelho, que deverá substituir todos os helicópteros da família Mi-8/17, ganhará também uma versão especializada em busca e salvamento, bem como outra em patrulha e evacuação médica.

“A criação de helicópteros de alta velocidade faz parte do mainstream da indústria de helicópteros do mundo. E, portanto, não devemos ficar de lado”, completa o editor-chefe da revista “Defesa Nacional”, Ígor Korotchenko. Projetos semelhantes estão sendo conduzidos por todas as principais empresas construtoras de helicóptero, em particular a Airbus Helicopter e a Sikorsky Aircraft.

Etapa por etapa

O programa de criação do novo helicóptero será implementado em duas fases: até 2020 ficará pronta a versão comercial básica, e entre 2025 e 2030 surgirá uma versão com uma configuração aerodinâmica inovadora e novos aviônicos.

A velocidade, porém, não será o princípio fundamental da futura criação. “Nossa tarefa principal é economizar recursos. Portanto, iremos projetar o helicóptero com base em novos princípios ditados pelo mercado, pelos clientes e consumidores e pelas faixas de preço”, explicou o vice-ministro. O primeiro protótipo de motor de nova geração para o helicóptero estará pronto em 2015.

Um representante do maior consórcio desenvolvedor de aviônicos da Rússia, Retechn, garantiu que o objetivo será desenvolver aviônicos com base nos princípios de “glass cockpit”, permitindo aos pilotos uma maior consciência situacional e concentração durante o voo.

Reforço nos ares

A construção de um novo helicóptero é muito importante, porque os modelos multifuncionais, sobretudo os mais velozes, estão se tornando indispensáveis no campo de batalha. A prática da guerra moderna mostra que sem apoio aéreo as tropas terrestres sofrem significativamente mais baixas”, aponta o vice-presidente da Academia de Problemas Geopolíticos, Vladímir Anokhin.

Segundo ele, a indústria russa tem um sólido histórico de produção, conforme mostra a trajetória do helicóptero Mi-8. “Ele foi vendido para dezenas de países, e eu espero que o Rachel seja um novo sucesso”, acrescenta Anokhin. No conflito do Afeganistão, por exemplo, os helicópteros forneceram apoio de fogo de maneira eficaz, além de exercerem um efeito moral sobre o inimigo.

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.