PPSh-41, símbolo do terror e vitória na Segunda Guerra Mundial

O peso elevado, apontado muitas vezes como uma desvantagem, era, contudo, bom para o atirador Foto: Lori / Legion Media

O peso elevado, apontado muitas vezes como uma desvantagem, era, contudo, bom para o atirador Foto: Lori / Legion Media

O típico monumento ao soldado soviético apresenta capacete SSh-40, capa e uma sólida submetralhadora com um disco pesado no carregador e peculiar invólucro de janelas ovais ao redor do cano. A PPSh-41, ou pistola-metralhadora Shpagin modelo 1941, teve 6 milhões de exemplares fabricados durante a Segunda Guerra Mundial, tornando-se um dos símbolos mais reconhecíveis desse terrível episódio histórico.

A PPSh foi o herdeira da custosa submetralhadora Degtyarev PPD-34/40. Dela recebeu a aparência e o pesado carregador em formato de tambor para 71 munições, copiado da submetralhadora finlandesa Suomi, após a Guerra de Inverno nos anos 1939 e 1940. Pelas suas características, o correto funcionamento da arma dependia do uso individualizado dos carregadores em cada uma das submetralhadoras.

Ao contrário de sua antecessora, a PPSh era também muito mais simples e barata. Seus elementos estruturais fresados (parafusos) foram substituídos por partes prensadas, e seu corpo foi reduzido praticamente ao cano e ao ferrolho, que eram bem resistentes. Isso fez dela uma verdadeira máquina de combate, já que a industrialização no tempo de guerra exigia economia de materiais e tecnologia simples, porém confiável.

Outra particularidade dessa arma era a poderosa munição 7,62 × 25, a mesma da pistola Tokarev TT. O conjunto imprimia ao projétil uma alta velocidade e a taxa de tiro era incrível – de 900 a 1000 disparos por minuto.

O peso elevado, apontado muitas vezes como uma desvantagem, era, contudo, bom para o atirador. A PPSh se comportava com mais estabilidade durante as rajadas do que outras submetralhadoras, como a alemã MP-40. O freio de boca localizado na extremidade do cano proporcionava ainda um menor recuo ao refletir o fluxo dos gases para os lados.

Vassoura de trincheira

Todos esses elementos faziam da PPSh uma arma eficaz e temível, capaz de proporcionar alto poder de disparo até mesmo a 200 metros de distância. A alemã MP-40, por exemplo, era considerada eficaz em distâncias não superiores a 150 metros. Além disso, a PPSh podia massacrar o inimigo com a voracidade de um grupo de homens armados. O carregador com 71 munições era responsável pelo fluxo constante de fogo concentrado.

Em pouco tempo, a PPSh ganhou o apelido de “vassoura de trincheira”, mostrando-se extremamente eficaz em combates a curta distância em ambientes fechados, como trincheiras e áreas urbanas. Não é por acaso que os grupos de ataque que combatiam em zonas urbanas geralmente portavam essas submetralhadoras.

Mas a PPSh não foi reconhecida como a melhor submetralhadora da Segunda Guerra Mundial. Os especialistas concordam que o melhor modelo foi outra arma soviética – a PPS, uma simples submetralhadora, concebida por Aleksêi Surdeie, que teve cerca de meio milhão de exemplares produzidos.

Diz o ditado que “o ótimo é inimigo do bom”. A PPS somente entrou em serviço operacional em 1943, participando da libertação do cerco de Leningrado. Sua distribuição a outras unidades do fronte se tornou complicada (no momento da libertação havia sido produzidas apenas 46.000), e o Exército Soviético necessitava, desde os primeiros dias da guerra, de enormes quantidades.

A submetralhadora que preencheu a lacuna foi justamente a PPSh-41, que, portanto, mereceu seu lugar nos inúmeros monumentos aos soldados soviéticos.


Publicado originalmente pelo defendingrussia.ru

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.