Nova geração do YotaPhone aposta em design e simplicidade

 “A segunda geração de smartphones YotaPhone com duas telas deve ser um gadget para as massas, e não um produto voltado a um determinado nicho, como a primeira versão”, declarou o diretor-geral da Yota Devices, Vlad Martinov Foto: Andrêi Baida

“A segunda geração de smartphones YotaPhone com duas telas deve ser um gadget para as massas, e não um produto voltado a um determinado nicho, como a primeira versão”, declarou o diretor-geral da Yota Devices, Vlad Martinov Foto: Andrêi Baida

Aperfeiçoamento das duas telas, software para monitorar saúde e modelo anatômico são destaque do novo celular.

A nova versão do smartphone de duas telas YotaPhone, apresentada pela primeira vez na exposição MWC 2014, é mais fino e leve, opera com a recente versão do Android e está equipada com processador Snapdragon 800 quad-core.

Lançado em dezembro de 2013, o YotaPhone ficou conhecido por apresentar duas telas: uma comum e a E-ink em preto e branco, que facilita a leitura.

O tamanho da tela foi ampliado de 4,3 para 5 polegadas, e agora exibe imagem em Full HD. A tela complementar também sofreu alterações. A densidade de pixels aumentou de 170ppi para 235ppi, o que melhorou significativamente a qualidade do display monocromático. As funções da segunda tela foram expandidas e, além de exibir imagens, também pode ser usada como painel de controle. Os desenvolvedores planejam ainda a inclusão de um software que permitirá aos usuários do YotaPhone 2 monitorarem a quantidade de calorias queimadas e de quilômetros percorridos.

O novo modelo também tem cara nova, já que as bordas pontiagudas foram arredondadas e o aparelho se tornou mais anatômico. “A segunda geração de smartphones YotaPhone com duas telas deve ser um gadget para as massas, e não um produto voltado a um determinado nicho, como a primeira versão”, declarou o diretor-geral da Yota Devices, Vlad Martinov, na abertura da plataforma de captação de recursos do projeto Yota Idea Camp, na semana passada. O novo dispositivo será colocado à venda na Rússia até o final do ano.

  

A nova versão do smartphone de duas telas YotaPhone, apresentada pela primeira vez na exposição MWC 2014, é mais fino e leve Foto: Ekaterina Turicheva

Mas os funcionários dos principais varejistas russos Euroset e Sviaznoi permanecem céticos quanto às chances de sucesso do novo telefone. As vendas do primeiro YotaPhone não foram bem sucedidas, também devido à ausência de uma estratégia de marketing. “O telefone deve vender por si mesmo”, rebate o diretor da Yota Devices. Até fevereiro passado, apenas 12 mil aparelhos tinham sido vendidos nos mercados da Rússia e da Europa.

Mas nem todos os especialistas compartilham essa visão negativa. “Os usuários estão precisando de um descanso dos gadgets, pois, como demonstram as pesquisas, uma parte significativa deles está sacrificando os relacionamentos com amigos ou família em função da internet. O produto da Yota Devices está perfeitamente incluído nessa filosofia”, destacou Daniel Sieberg, autor do livro "Dieta Digital", que também esteve presente na abertura do Idea Camp.

O novo YotaPhone de segunda geração vai custar aproximadamente o mesmo ou um pouco menos que os demais smartphones Android com especificações técnicas semelhantes. Os smartphones Sony Xperia Z1 e LG G2, por exemplo, são atualmente comercializados na Rússia por US$ 700 e US$ 560, respectivamente.

Tecnologia apolítica

Apesar do fato de que o YotaPhone ser conhecido como o “primeiro smartphone russo”, os seus criadores querem posicioná-lo como um produto global. Martinov ressaltou também que a empresa não tem intenção de responder aos recentes apelos de autoridades e figuras públicas russas para boicotar produtos americanos, incluindo os smartphones, e propor a migração para o YotaPhone. “Nós não estamos fazendo um produto exclusivamente para usuários da Rússia. O novo modelo deve ser capaz de competir no mercado mundial”, afirmou durante o evento. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.