Nova geração de sistemas de lançamentos múltiplos chega às tropas russas

BM-21 "Grad" Foto: wikipedia

BM-21 "Grad" Foto: wikipedia

Sistema Grad, que substituiu lendário Katiusha, será trocado pelo moderno e potente Tornado.

A novidade foi apresentada abertamente pela primeira na base de lançamento e desenvolvimento de mísseis Kapustin Iar em setembro de 2011. O Tornado superar os seus antecessores em praticamente todos os indicadores: alcance e densidade de disparo, precisão e potência da unidade de combate.

O Tornado tem um sistema de orientação por satélite, graças ao qual a probabilidade de falhar o alvo é reduzida significativamente.  Além disso, pode deixar a sua posição antes do primeiro projétil lançado atingir o solo. Quando o último projétil explode, o próprio carro pode já estar longe do local de onde efetuou o lançamento.

 

A construção do Tornado permite instalar no mesmo veículo de base blocos de lançamento de diferentes calibres. Além disso, pode se colocar no mesmo carro uma plataforma com lançadores emparelhados para foguetes de 122 mm, 220 mm e 300 mm, dependendo das tarefas a serem resolvidas no campo de batalha. Isso quer dizer que uma mesma viatura se torna base universal para todos os tipos de foguetes de artilharia usados nas forças terrestres do Exército.

Os próprios foguetes também são da nova geração. Pela primeira vez, os lançadores múltiplos de foguetes irão trabalhar com projéteis teleguiados, o que permitirá, a distâncias consideráveis, atingir não apenas áreas, mas alvos inimigos específicos. No futuro, considera-se ainda a possibilidade de alojar nas plataformas a serem instaladas na base do Tornado mísseis táticos e de cruzeiro, bem como lançadores para veículos aéreos não tripulados.

Os especialistas militares acredita que, se os sistemas de lançadores múltiplos de foguetes do Tornado e dos mísseis táticos Iskander forem usados juntos, serão capazes de executar tarefas de combate que hoje exigem significativo esforço e meios da artilharia de foguetes. É possível que já em 2015 essa conjunção se torne precisamente a base das tropas de mísseis e da artilharia das forças terrestres.

Além da fama

Hoje em dia, os lançadores múltiplos de foguetes russos gozam de não menos popularidade do que o rifle Kalashnikov. Mas poucos sabem que, após a Grande Guerra Patriótica (como é conhecida a Segunda Guerra Mundial na Rússia), a União Soviética teve a intenção de fechar essa orientação dos foguetes de artilharia, apesar das glórias do Katiusha.

Durante a Grande Guerra Patriótica, a União Soviética se tornou líder mundial na criação de sistemas de lançamento múltiplo de foguetes. Dignos sucessores da Katiusha foram os sistemas Grad, Smertch e Uragan. Todos eles trabalhavam com um só calibre. Por exemplo, o Grad só podia disparar projéteis de 122 milímetros, o Smertch, de 220 mm, e o Uragan, de 300 mm.

Em 1957, o desenvolvedor de armas Aleksandr Ganitchev teve muito trabalho para fazer reviver e defender a ideia dos sistemas de lançadores múltiplos de foguetes. O sistema Grad foi colocado ao serviço do Exército cinco anos depois. Em 1969, durante o conflito fronteiriço sino-soviético, deu-se o primeiro uso em combate dos então ainda secretos sistemas.

O efeito foi ainda mais impressionante do que da primeira aparição do Katyusha na Batalha de Moscou, em 1941. O Grad foi reconhecido como sendo o sistema de lançamento múltiplo foguetes mais eficaz do mundo.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.