Iskander-M protegerá ex-repúblicas soviéticas de ameaças terroristas

Os alvos convencionais do Iskander-M são os recursos de defesa antiaérea e antimísseis, aeroportos, instalações de infraestrutura Foto: RIA Nóvosti

Os alvos convencionais do Iskander-M são os recursos de defesa antiaérea e antimísseis, aeroportos, instalações de infraestrutura Foto: RIA Nóvosti

Sistemas de mísseis estão sendo instalados a 100 km da fronteira com o Cazaquistão. Retirada de tropas americanas do país poderá gerar desestabilização nos países vizinhos.

Em dezembro deste ano, a 92ª brigada de mísseis, localizada na região de Orenburg, estará pronta para receber os Iskanders-M. O alcance do sistema é de até 500 km, e pode chegar a 2.000 km no caso de mísseis de cruzeiro R-500. Dessa forma, os sistemas conseguem atingir as fronteiras sul e sudeste do Cazaquistão.

"A Rússia, em conjunto com o Cazaquistão e outros países da OTSC [Quirguistão e Tadjiquistão], está criando forças de reação rápida. Todos os anos nós realizamos treinamentos”, diz Víktor Murakhóvski, especialista militar e editor-chefe da revista "Arsenal da Pátria".  “Em caso de perigo, o raio de ação do Iskander pode ser medido não só de Orenburg, mas também do território de todos os países que integram a Organização do Tratado de Segurança Coletiva.”

Os alvos convencionais do Iskander-M são os recursos de defesa antiaérea e antimísseis, aeroportos, instalações de infraestrutura, bem como os sistemas de mísseis inimigos. No entanto, segundo Murakhóvski, esse sistema também pode destruir efetivamente a força inimiga.

Nos termos de um acordo com o governo do Cazaquistão, os mísseis táticos poderão ser transferidos para o território desse país em caso de necessidade. A assessoria de imprensa do Ministério da Defesa especificou que a preparação dos locais para os Iskanders será concluída antes do final do ano.

Perigo à vista

O presidente do Instituto de Avaliações Estratégicas, Aleksandr Konovalov, acredita que após a saída de quase todos os 60 mil militares americanos que se encontram no Afeganistão, no final deste ano, é possível que ocorra uma grave desestabilização do cenário. Na sua opinião, o atual governo não será capaz de garantir o controle adequado.

“A retirada dos americanos do Afeganistão poderá levar a uma desestabilização do Quirguistão e do Uzbequistão”, concorda Vassíli Káchin, editor-chefe da revista “Moscow Defence Brief”. “Nesse caso, as tropas do Distrito Militar Central da Rússia devem estar prontas para avançar rapidamente e ajudar o Cazaquistão a proteger a fronteira.”

Oficiais de órgãos públicos também alertam para a complexidade da situação política na Ásia Central. "Estão sendo esperados o retorno do movimento Talibã ao cenário político e uma deterioração acentuada no ambiente operacional. O Talibã defende a manutenção da produção de matérias-primas e de drogas no Afeganistão, com o objetivo de realizar um jihad global contra os infiéis, dos quais também a Rússia faz parte”, concluem os  especialistas do Serviço Federal de Controle de Entorpecentes (FSKN, na sigla em russo).

 

Publicado originalmente pelo Izvéstia

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.