Portal Tracksflow é primeira vítima de lei antipirataria

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Bloqueado por distribuição ilegal de música, site russo pode recorrer a parceiro americano para reverter situação.

O portal Tracksflow se tornou o primeiro recurso russo judicialmente bloqueado por distribuição ilegal de música. O proprietário do site, Boris Gólikov, perdeu ação a favor da empresa SBA Music Publishing, a quem deverá pagar o montante de 1,55 milhão de rublos (quase US$ 44 mil).

 

Top Piratas

A Rússia não faz parte do rol de líderes de pirataria na internet. De acordo com o serviço de monitorização Musicmetric, no primeiro semestre de 2012, a Rússia estava na 24ª posição entre os países que baixavam ativamente músicas por torrente. O trio dos líderes é composto por EUA, Reino Unido e Itália. A pesquisa do Musicmetric revela que, durante o período citado, os russos baixaram ilegalmente 22,7 milhões de músicas, os ingleses, quase 347 milhões, e os norte-americanos, 775 milhões.

Mesmo assim, o fundador do portal Tracksflow entrou com um recurso e tem esperança de vencer na próxima instância judicial. “A suposta acusação de pirataria tem fundamento, pois o tracksflow não passa de uma ferramenta de busca”, insiste Gólikov. “Não armazenamos os arquivos, apenas os procuramos na internet mediante busca dos usuários”, acrescenta.

A lei antipirataria russa foi aprovada no ano passado com o objetivo de diminuir os casos de violação dos direitos autorais. De acordo com o Ministério das Comunicações, o número de pessoas que pagam por conteúdos legais aumentou em 30% desde a aprovação da lei.

 

Empresa russa quer lançar perfume em homenagem ao iPhone

“Esta foi a primeira deliberação judicial contra uma pessoa jurídica tomada na Rússia, depois de a chamada SOPA russa [em referência à iniciativa norte-americana Stop Online Piracy Act] entrar em vigor”, disse à Gazeta Russa o sócio da empresa jurídica Bukh & Associados, Arkadi Bukh, sobre a importância do recente caso.

Até então, a lei só havia aplicada a indivíduos, como o caso dos cônjuges-piratas Lopukhov e a ação penal contra Gottfrid Svartholm, cofundador do servidor The Piratebay.

Driblando a lei

O sítio http://tracksflow.com está fisicamente alocado na Rússia, por meio do servidor http://selectel.ru/.Porém, levando em conta que o respetivo nome de domínio foi registrado pela empresa americana Name.com, para o seu cancelamento definitivo será ainda necessário provar a infração de normas legislativas dos EUA.

 

Desvendada rede de ciberespionagem mundial

“É por isso que o assunto é tão empolgante. A solução mais fácil seria a cessação de uso do nome de domínio pelo proprietário do site. É pouco provável que aconteça, já que Gólikov pretende recorrer da decisão e o Tracksflow não tem antecedentes criminais”, acrescentou Bukh. O especialista também duvida que a deliberação seja aceita nos EUA.

 

Além disso, existe a hipótese de o site ser transferido para qualquer outro servidor estrangeiro.É o que fazem, em 99% dos casos, os proprietários de recursos da internet submetidos ao bloqueio”, ressalta Vassíli Borissov, chefe do departamento de marketing da Selectel. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.