A bordo dos conquistadores do Polo Norte

Em operação há mais de meio século, quebra-gelos já forma usados para fins militares, transporte e cruzeiros marítimos Foto: ITAR-TASS

Em operação há mais de meio século, quebra-gelos já forma usados para fins militares, transporte e cruzeiros marítimos Foto: ITAR-TASS

Em operação há mais de meio século, quebra-gelos já forma usados para fins militares, transporte e cruzeiros marítimos. Acompanhe a evolução dessas máquinas que possibilitaram a expansão russa no Ártico.

A corrida pelo Ártico e seus recursos não é de hoje, embora o assunto tenha novamente vindo à tona após o protesto do Greenpeace na plataforma petrolífera Prirazlómnaia, no ano passado. Enquanto a Rússia se empenha no desenvolvimento da infraestrutura da rota marítima do norte, os EUA investem mais de US$ 8 bilhões em projetos no Ártico. Mas fato é que nada disso teria sido possível sem a invenção de quebra-gelos atômicos.

Até os dias de hoje, a principal tarefa dessas máquinas é garantir a circulação de cargas pela rota marítima do norte. Materiais necessários para exploração das jazidas e itens essenciais são transportados aos povos da Sibéria. Dali partem minérios, madeira, petróleo, gás e outros recursos naturais.

A história da conquista da Ártico por essa poderosas máquinas começou com o “Lênin”, o primeiro quebra-gelos nuclear do mundo. Fabricado nos estaleiros de Leningrado, em 1959, esse quebra-gelos se tornou exemplo vivo dos progressos da indústria soviética.

Porém, foi somente o segundo quebra-gelos nuclear, o “Árctica”, que conseguiu atingir o Polo Norte. Embora sua operação se estenda de 1975 a 2008, o modelo mudou temporariamente de nome em 1982, após a morte de Brejnev, secretário-geral do Partido Comunista da URSS. Em 1986, o quebra-gelos recuperou o nome original.

Coleção de recordes

Os navios dessa classe construídos posteriormente têm o casco revestido de polímero especial para reduzir o atrito. Todas as embarcações do modelo “Árctica” quebram o gelo se movendo tanto para frente como para trás, o que torna praticamente impossível ficarem presos.

Os “Árctica”, que têm autonomia de oito meses, chegaram a operar um ano inteiro sem qualquer manutenção durante a campanha de 1999-2000. Em agosto de 2005, esse quebra-gelo bateu um novo recorde, ao percorrer 1,6 milhão de quilômetros desde o dia em que foi colocado na água – quase cinco vezes a distância da Terra à Lua. 

A geração seguinte de navios do tipo “Árctica”, que inclui  “Sibir” (1977-1992), “Rossia” (1985-2013), “Sovetski Soiuz” (1989-2010), acelerou a conquista da região polar e reforçou o êxito das máquinas anteriores.

Frota pós-URSS

Mesmo depois da queda da União Soviética, quando o país enfrentava sérios problemas financeiros, a frota nuclear recebeu novos reforços no âmbito do projeto “Árctica”,. Atualmente estão em operação os navios atômicos “Iamál” (1992) e “50 let Pobedi” (2007), considerado o quebra-gelos mais potente do mundo.

A atual corrida pelos recursos do Ártico também estimulou a construção de um quebra-gelos da série “LK-60Ia”, cujo calado é variável e o permite operar tanto em águas profundas como nos estuários dos rios siberianos. A cidade de Murmansk, para onde o navio do Greenpeace foi rebocado, é a base de todos os quebra-gelos russos, assim também da empresa federal Atomflot, responsável pelo seu comando.

Turismo glacial

O novo marco dos transportes marítimos para o Ártico foi a construção de um navio que funcionava como quebra-gelos e navio de transporte, o “Sevmorput”. Essa máquina, que entrou em exploração em 1988, tinha grande capacidade de carga e transportava aos habitantes do Extremo Norte russo alimentos, roupa e equipamentos para um ano inteiro em uma única viagem.

Recentemente, as autoridades anunciaram que o “Sevmorput”, que passou muito tempo ancorado, voltará a navegar sob o comando do Ministério da Defesa. Entre as possíveis funções, o navio deverá marcar presença e deslocar tropas para o Ártico russo, participar na recuperação das infraestruturas de aeródromos e portos das Ilhas da Nova Sibéria, Terra de Francisco José e outras regiões do Extremo Norte.

Hoje em dia, porém, os quebra-gelos não são apenas utilizados para abrir caminho às embarcações comerciais, mas também para transportar expedições polares, estações flutuantes e cruzeiros turísticos ao Polo Norte. Os navios dessa classe possuem confortáveis áreas turísticas, equipadas com piscina, cinema com 100 lugares, academia, biblioteca e sauna, entre outros espaços de lazer.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.