“Caçador de meteoritos” é eleito homem do ano por revista Nature

Grokhóvski liderou então a expedição que coletou mais de 700 fragmentos do corpo celeste Foto: RG

Grokhóvski liderou então a expedição que coletou mais de 700 fragmentos do corpo celeste Foto: RG

O cientista Víktor Grokhóvski, nativo dos Urais, foi incluído entre as dez pessoas que transformaram o mundo da ciência em 2013. Pesquisas sobre o meteorito que caiu em Tcheliábinsk, em fevereiro, renderam fama ao professor da Universidade Federal dos Urais e membro da Academia de Ciências da Rússia.

“A fama literalmente caiu sobre a minha cabeça, e veio de onde eu não esperava”, brinca Grokhóvski. “Há duas semanas, começaram a telefonar para mim da revista e solicitaram uma foto, sem revelar o motivo. Quando o exemplar foi publicado, fui recebido com o parabéns de várias pessoas”, contou, ao compartilhar o mérito das conquistas com os colegas que contribuíram para as pesquisas.

O meteorito que caiu nas proximidades de Tcheliábinsk, em 15 de fevereiro, aproximou-se do planeta em um ângulo inacessível para a observação pelo telescópio a partir da Terra e surpreendeu os astrônomos.

Os primeiros fragmentos, encontrados por alunos e professores do Centro de Pesquisa Científica “Nanotech”, ajudaram a identificar o tipo de substância e calcular a trajetória de queda do copo celeste.

Grokhóvski liderou então a expedição que coletou mais de 700 fragmentos do corpo celeste e localizou o maior pedaço do meteorito dentro do lago Tchebarkul. De lá foram extraídos 5,5 kg de pequenos estilhaços e um fragmento grande com 570 kg.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.