Deputados da Duma ‘desenterram’ projeto antissatélite soviético

Projeto inclui sistema de radar terrestre e detecção óptica, assim como a versão atualizada do caça MiG-31 Foto: wikipedia.org

Projeto inclui sistema de radar terrestre e detecção óptica, assim como a versão atualizada do caça MiG-31 Foto: wikipedia.org

Comitê da Duma (câmara dos deputados na Rússia) para Defesa propõe ao governo a reativação de um projeto de ataque complexo de alta precisão a satélites e de interceptação de mísseis. Parlamentares sustentam que sistema permitirá à Rússia manter sua posição na defesa espacial e fazer frente aos EUA.

Entre as recomendações das audiências parlamentares de novembro sobre a defesa aeroespacial, os membros do comitê competente ressaltaram a necessidade de reativar o sistema aero-terrestre Kontakt, criado para destruir satélites de navegação e satélites de comunicações.

“Cabe ao governo incluir no Programa Estatal de Armamento para 2016-2025 a implementação das medidas necessárias para garantir a retomada das pesquisas e desenvolvimento referentes ao Kontakt”, diz o documento oficial sobre o encontro.

O projeto, desenvolvido no início dos anos 1980 pelo departamento de projetos Almaz, inclui um sistema de radar terrestre e detecção óptica, assim como a versão atualizada dos caças MiG-31, conhecida como MiG-31D. Equipado com um foguete de 10 metros e ogiva de fragmentação, o veículo é capaz de acertar um satélite a 120 km de altitude.

A estação terrestre estava localizada no campo militar de Sary-Shagan, no Cazaquistão, e transmitia para o avião as coordenadas do satélite. O sistema Kontakt, pela concepção dos seus criadores, poderia destruir até 24 alvos em órbita em um período de 36 horas. A interrupção dos trabalhos aconteceu na década de 1990.

O vice-presidente do comitê da Duma para Defesa, Frantz Klintsevitch, sugere que o Kontakt será necessário não só para atacar os satélites. “O desenvolvimento de armas convencionais de alta precisão poderá em breve deitar por terra as capacidades das modernas armas nucleares e os acordos sobre armas estratégicas”, diz. “Criamos sistemas que vão abranger absolutamente tudo o que voar no espaço exterior.”

Segundo o deputado, trata-se da chance de a Rússia mostrar que não permitirá que os outros países a ultrapassagem tecnologicamente em termos militares. “Isso se reflete no discurso anual do presidente no último dia 12 de dezembro e, para nós, tem caráter prioritário”, acrescentou Klintsevitch.

Tecnologia antiga

O ex-chefe do armamento das Forças Armadas, Anatóli Sitnov, garante que os EUA já têm uma aeronave espacial não tripulada que executa as mesmas tarefas que foram colocadas ao sistema Kontakt: o Boeing X-37B. “Estou falando de um módulo que, na realidade, é uma nave espacial que consegue se aproximar do satélite e tirá-lo de órbita com a ajuda de uma arma de canhão ou laser”, descreve Sitnov.

A aeronave desempenha um papel crucial no caso de ataque espacial. “Os sistemas aéreos cobrem todo o teatro de operações militares, mas em terra apenas aquela região onde está instalado”, lembra o especialista. Para ser páreo diante do concorrente americano, Sitnov alega que, antes de reativar os trabalhos científicos do Kontakt, será necessário que as empresas da indústria eletrônica passem por uma preparação prévia.

De acordo com o diretor-geral da holding Roselektronika, Andrêi Zverev, é preciso continuar o trabalho científico iniciado na União Soviética apenas para uso de tecnologia moderna. “Não faz qualquer sentido recriar a base elementar que foi prevista há mais de 20 anos. Neste tempo que passou a tecnologia deu um grande salto para a frente”, diz.

 

Publicado originalmente pelo Izvéstia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.