Rússia tem telefonia celular mais barata da Europa

Foto: Alamy

Foto: Alamy

Estudo da ONU revela que Brasil tem tarifas mais caras do mundo. Preço do minuto no país é mais de oito vezes superior ao russo. País também liderou ranking dos Brics em desenvolvimento tecnológico e das comunicações.

Um estudo da agência da ONU para telecomunicações lançado na última segunda-feira (7) revelou que a Rússia é o país que tem a telefonia celular mais barata da Europa - empatado com a Dinamarca, Finlândia e Macedônia - e uma das mais baratas do mundo.

Em contrapartida, as tarifas brasileiras são as mais caras do globo, de acordo com o mesmo relatório da ITU (na sigla em inglês, União Internacional de Telecomunicações), intitulado "Medindo a Sociedade da Informação-2013".

Entre os Brics, a Rússia ficou atrás da China e da Índia no custo das ligações celulares. A tarifa por minuto para entre telefones de operadoras diferentes no horário de pico, de acordo com o relatório é de US$ 0,02 na Índia, US$ 0,04 na China, US$ 0,09 na Rússia, US$ 0,40 na África do Sul e US$ 0,74 no Brasil. No país, o cálculo utilizou as tarifas médias de São Paulo.

De acordo com as estimativas do ITU, havera 6,8 bilhões de assinaturas de telefonia celular até o final de 2013, quase a mesma quantidade de pessoas no planeta.

Desenvolvimento tecnológico e das comunicações

O estudo mapeou 161 países em diversas subcategorias e, a partir desses resultados, foi elaborado um ranking do desenvolvimento em tecnologia e comunicações.

Entre os 11 indicadores combinados, constavam telefonia fixa e celular, banda de internet por usuário, porcentagem de lares que possuíam computador com acesso à internet, porcentagem de indivíduos com acesso à internet, familiarização com a rede mundial de computadores etc.

A Coreia do Sul liderou o ranking, seguida por países nórdicos: Suécia, Islândia, Dinamarca, Finlândia e Noruega.

Enquanto a Europa liderou quase dois terços do top-30, os Brics deixaram a desejar. A Rússia liderou o ranking do grupo, na 40° posição mundial, o Brasil ficou em 62°, a China em 78°, a África do Sul em 84° e a Índia em 121°.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.