Presença global de laboratório começa pelo Brasil

Conhecido por produzir biossimilares monoclonais desenvolvidos a partir de moléculas, o Biocad cresceu na Rússia e nos países vizinhos Foto: flickr / hyperakt

Conhecido por produzir biossimilares monoclonais desenvolvidos a partir de moléculas, o Biocad cresceu na Rússia e nos países vizinhos Foto: flickr / hyperakt

Empresa de tecnologia Biocad prevê que sua primeira unidade produtiva fora da Rússia esteja pronta até 2015 em Maringá (PR).

O laboratório russo de biotecnologia Biocad Biopharmaceutical Company, especializado em anticancerígenos, irá construir uma unidade em Maringá, no Paraná, com investimentos previstos inicialmente da ordem de US$ 40 milhões. O projeto deverá contar com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Recentemente, a Biocad Brazil, comandada pelo médico David Zylbergeld Neto, fechou parceria com o Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná) para a produção no Brasil do medicamento bevacizumabe, em regime de transferência de tecnologia.

“A decisão de entrarmos no Brasil, em paralelo à unidade que o Tecpar vai construir, está alinhada à estratégia de ocupar todos os nichos de mercado que o Sistema Único de Saúde oferece para suprirmos a ausência de produção local de medicamentos de ponta”, afirma Zylbergeld.

Significa, portanto, que o trastuzumab, o rituximab e o interferon peguilado, também medicamentos de combate ao câncer e que sairão da futura unidade, terão o mesmo destino: a venda garantida ao Ministério da Saúde.

Fim das patentes

Conhecido por produzir biossimilares monoclonais desenvolvidos a partir de moléculas, o Biocad cresceu na Rússia e nos países vizinhos – aos quais exporta e também mantém algumas parcerias, como no caso da Ucrânia – aproveitando-se do fim das patentes mundiais das marcas comerciais sintetizadas quimicamente de gigantes como Roche e Pfizer. Hoje, o valor de mercado da companhia sediada em Moscou é estimado em US$ 1 bilhão, segundo a Bloomberg.

A necessidade brasileira de baratear os medicamentos, especialmente os de uso contínuo no tratamento de doenças de alta complexidade, somada à excelência do laboratório russo, são fatores, segundo Zylbergeld, que estão no topo das prioridades do governo brasileiro.

"[A aprovação da parceria, além da aprovação da futura unidade própria], foram amplamente defendidas pelo Ministério da Saúde”, diz. Isso será fator preponderante para aprovação do empréstimo já requerido ao BNDES, cujo valor Zylbergeld não revela.

"A decisão de entrarmos no Brasil, em paralelo à unidade que o Tecpar vai construir, está alinhada à estratégia de ocupar todos os nichos de mercado que o Sistema Único de Saúde"

A unidade deverá entrar em construção entre final de 2014 e começo de 2015. Zylbergeld lembra que apenas com o bevacizumabe o SUS economizará cerca de R$ 70 milhões anuais. Ele se baseia nos R$ 177 milhões gastos oficialmente com a compra do Avastin, a marca comercial da suíça Roche.

Com os outros três biossimilares que a empresa trará ao Brasil, também haverá economia aos cofres públicos. “Para a Biocad será uma oportunidade comercial excelente, com retorno garantido dos investimentos, além de uma vitrine mundial”, diz.

A previsão da empresa é inicialmente empregar 200 funcionários, além do quadro técnico que virá das unidades de Moscou e de São Petersburgo.

Parceria com o Tecpar

O acordo com o Tecpar foi sacramentado oficialmente em agosto, quando uma delegação chefiada por Júlio Félix, presidente da estatal paranaense, esteve em Moscou. Alguns pontos do acordo ainda não podem ser divulgados, como a participação de cada parte na receita obtida com a venda do anticancerígeno.

A construção, orçada em R$ 100 milhões, e gestão total da fábrica, prevista também para 2015, serão do Tecpar. Ao Biocad Brazil caberá a transferência absoluta da tecnologia, além da presença de seus pesquisadores e técnicos na primeira fase de implantação do projeto, de acordo com Félix.

A unidade também será em Maringá. O Bicoad optou pelo mesmo município para aproveitar a logística

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.