Moscou rearma Exército do Tadjiquistão

Ministro da Defesa Serguêi Choigu (esq.) e presidente da Rússia Vladímir Pútin (dir.) Foto: Mil.ru

Ministro da Defesa Serguêi Choigu (esq.) e presidente da Rússia Vladímir Pútin (dir.) Foto: Mil.ru

Rússia vai ajudar o Exército tadjique a se rearmar em troca da preservação da base militar no território da ex-república soviética. Até 2005, US$ 200 milhões serão direcionados para a modernização das forças armadas do Tajiquistão.

No dia 1° de agosto, os presidentes dos dois países, Vladímir Pútin e Emomali Rahmon, chegaram a um acordo para modernizar as forças armadas do Tadjiquistão. Na sequência, Pútin instruiu o ministro da Defesa, Serguêi Choigu, para avaliar os novos riscos associados à retirada das forças de coalizão do Afeganistão, prevista para o final de 2014.

O presidente do Tadjiquistão, Emomali Rahmon, por sua vez, prometeu que o parlamento da república irá ratificar, no outono, o acordo sobre a extensão dos prazos de permanência da base militar russa. “Estamos determinados em cumprir todas as obrigações assumidas”, assegurou o presidente do Tadjiquistão.

O acordo sobre a extensão dos prazos de permanência no Tadjiquistão da 201ª base militar (a maior fora da Rússia) foi alcançado pelos dois presidentes em outubro do ano passado, em Dushanbe, e prevê a prorrogação do prazo de permanência da base até 2042, com possibilidade de renovação automática por períodos de cinco anos. Pelas cláusulas do acordo anterior, o prazo de retirada da base expiraria em 2014. O novo acordo, tal como o anterior, não prevê pagamento de aluguel.

“Dushanbe arrastou a ratificação, negociando para si o reequipamento do seu Exército na véspera da retirada das forças de coalizão do Afeganistão”, disse um especialista que não quis ser identificado. Cabe lembrar que Moscou havia cumprido duas das condições apresentadas por Duchanbe: previu regime preferencial para os imigrantes tadjiques e aboliu as taxas de exportação do petróleo para o Tadjiquistão.

“O Tadjiquistão queria obter fundos adicionais para a modernização do seu exército em troca da ratificação do acordo”, disse à Gazeta.ru o vice-diretor do Instituto dos países da CEI, Vladímir Jaríkhin. “Para o Tadjiquistão se trata de uma soma considerável. Especialmente em uma situação onde a curto prazo podem surgir problemas devido à retirada das tropas da Otan do Afeganistão”, explicou.

Além da cooperação militar entre os países, os presidentes discutiram as tradicionais questões de imigração. “Os cidadãos tadjiques que trabalham na Rússia têm um papel importante na manutenção e desenvolvimento da economia do Tadjiquistão. Por isso nós discutimos a cooperação no campo da migração, concordamos em juntar esforços para resolver as questões emergentes nessa área”, disse Pútin após o encontro com seu homólogo. Em outubro do ano passado, os países concordaram em alargar os prazos de registro e validade dos vistos de trabalho para os imigrantes.

 

Publicado originalmente pela Gazeta.ru

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.