Governo investe em pontos gratuitos de Wi-Fi

Até setembro, todas as escolas públicas de ensino médio vão oferecer Wi-Fi gratuito Foto: PhotoXPress

Até setembro, todas as escolas públicas de ensino médio vão oferecer Wi-Fi gratuito Foto: PhotoXPress

Acesso à internet está sendo implementado no transporte público, instituições de ensino e até mesmo em parques. Parceria público-privada tem se mostrado essencial para viabilizar os projetos de alto custo.

Dos 147 milhões de habitantes russos, 57 milhões são usuários frequentes de internet. De acordo com os dados de 2010, um a cada três russos utiliza a rede direto do seu celular ou qualquer outro dispositivo móvel. Isso significa que aproximadamente 19 milhões de pessoas são potenciais usuários das conexões Wi-Fi espalhadas por diversas cidades russas.

O site wifi4free.ru destaca que a maior quantidade desses pontos está concentrada em Moscou, onde existem cerca de 1.410 pontos de acesso Wi-Fi, dos 1.180 são gratuitos. A liderança da capital se deve à sua desenvolvida rede de restaurantes e hotéis. Porém, novos pontos estão ganhando redes gratuitas.

O governo de Moscou começou a testar o serviço de Wi-Fi em ônibus e ônibus elétricos em julho de 2011, e a internet gratuita já é acessível em diversas rotas entre a cidade de Zelenograd e a capital. Quando o projeto estava somente começando, supôs-se que o período de implantação duraria meio ano, mas ainda nem todos os veículos públicos disponibilizam a rede gratuita atualmente.

Parques literalmente tecnológicos

O que poucos estrangeiros sabem é que há redes de Wi-Fi gratuitas em 14 parques de Moscou. Entre eles, 13 têm pontos de Wi-Fi disponibilizado pelos governo, e doze contam com a rede gratuita Megafon paralelamente ao serviço estatal. Nas regiões interioranas, como Sakhalin, Novgorod e Tiumen, também estão sendo implementados projetos para a instalação de Wi-Fi grátis em espaços abertos.

A iniciativa recebeu maior aceitação no transporte terrestre de outras cidades. A operadora russa MTS vem desenvolvendo as redes Wi-Fi no transporte na região dos Urais, Sibéria, Volga, noroeste e nas regiões federais centrais da Rússia, garantido o acesso livre à internet aos passageiros de ônibus urbanos, bondes, ônibus elétricos, táxis e trens elétricos suburbanos. Nesse aspecto, a principal concorrente da MTS em cidades com mais de um milhão de habitantes é a empresa Beeline.

“Atualmente implantamos serviço de Wi-Fi  em transporte público nas cidades de Murmansk, Kaliningrado, Petrozavodsk e em São Petersburgo, onde os roteadores foram instalados em mais de 300 veículos”, diz a assessoria de imprensa da Beeline,  Anna Abacheva.

Na maioria dos casos, as condições para a parceria entre os governos locais e as operadoras gera lucro direto às empresas. Ao equiparem os veículos com recursos próprios, as operadoras recebem em troca um local para fazer anúncios a bordo do meio de transporte.  

Metrô de Moscou

O acesso gratuito à internet no metrô da capital é mais complicado e, por isso, exige investimento de até 7 bilhões de rublos (em torno de US$ 216,6 milhões). A licitação para incrementar as linhas de metrô com rede Wi-Fi  já foi postergada duas vezes desde o final do ano passado. A falta de investidores é explicada pelos meios de comunicação pelas “despesas excessivamente elevadas e a impossibilidade de compensá-las”.

Ainda assim, a nova concorrência para a instalação de Wi-Fi no metrô da capital começará nesta sexta-feira (26). Após a conclusão do processo, a empresa responsável ficará encarregada de disponibilizar Wi-Fi nas linhas Koltsevaia e Kakhovskaia em até 21 semanas a partir de data da assinatura do contrato. Dali a um ano, a internet gratuita deverá estar disponível em todas as estações de metrô, garantem as autoridades.

Instituições de ensino

A distribuição de acesso grátis à internet nas instituições de ensino russas está acontecendo em nível federal. Atualmente, 25% das escolas públicas de Moscou já contam com rede gratuita, mas a promessa é disponibilizá-la em todas as instituições de ensino médio até o início do ano letivo, em setembro.

Os trabalhos de instalação de redes Wi-Fi nas escolas de Moscou estão sendo executados pela operadora MGTS, com a qual foi assinado um contrato de dois anos. A operadora permite filtrar o conteúdo e limitar o acesso dos estudantes aos sites com “conteúdo inadequado”.

O prefeito interino de Moscou, Serguêi Sobiânin, também prometeu investir verba do orçamento municipal para que as principais universidades de Moscou tenham rede Wi-Fi gratuita em até dois anos.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.