Rússia e Ucrânia podem retomar produção de avião cargueiro

Avião Antonov An-124 Ruslan Foto: wikipedia.org

Avião Antonov An-124 Ruslan Foto: wikipedia.org

Ainda em 2006, os dois países concordaram em retomar a produção em série dos Antonov An-124 Ruslan. No entanto, até hoje, o negócio não chegou a ser concretizado.

Os primeiros-ministros de Rússia e Ucrânia chegaram a um acordo para a assinatura em setembro dos documentos sobre a criação de um empreendimento conjunto para a retomada da produção do avião Antonov An-124 Ruslan, informou o lado ucraniano.

Ainda em 2006, os dois países concordaram em retomar a produção em série dessas aeronaves. O início da produção de um ou dois aviões por ano era aguardado na empresa Aviastar, em Ulianovsk, a partir de 2012, e as primeiras máquinas deveriam chegar ao cliente já em 2013.

O custo de um novo An-124 na ocasião foi estimado entre US$ 150 e US$ 160 milhões. O Ministério da Defesa desejava comprar três aeronaves, e a companhia aérea Volga-Dniépr, outras 40.

Entre os potenciais clientes do Ruslan diziam estar os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait. No entanto, até hoje, o negócio não chegou a ser concretizado.

“Foi decidida a criação de um empreendimento conjunto para a construção do avião An-124 Ruslan. Recebemos a incumbência dos primeiros-ministros dos dois países para a assinatura de documentos constitutivos já em setembro, durante uma reunião do comitê russo-ucraniano sobre assuntos de cooperação econômica”, disse o vice-primeiro-ministro ucraniano, Iuri Boiko, na quarta-feira (17).

Segundo Boiko, o lado ucraniano pode contribuir com a base tecnológica e o elemento da inovação, enquanto a Rússia, com o componente financeiro e o mercado consumidor.

O vice-primeiro-ministro também expressou a sua confiança no sucesso de projetos de construção de aviões desenvolvidos pela empresa estatal ucraniana Antonov.

“Todos os aviões Antonov –são atualmente  mais de 5.000 voando pelo mundo– são máquinas completamente confiáveis. E os projetos para os seus lançamentos só têm a crescer”, acrescentou Boiko.

“A nossa proposta, apoiada pelos colegas russos, é de criar um projeto piloto para a produção do An-124, mostrar como ele funciona, e então passar para uma integração mais profunda em relação a outras aeronaves: tanto de passageiros quanto os especializados”, disse o vice-primeiro-ministro.

Desenvolvido na unidade de construção Antonov (Ucrânia) em 1982, o AN-124 Ruslan pode levantar um peso de até 150 toneladas e percorrer uma distância de mais de 3.000 quilômetros. Suas modificações, o An-124-100 e o An-124-100M-150, foram produzidas em Kiev e Uliánovsk (Rússia) até 1995. Com o peso de decolagem de cerca de 400 toneladas, o Ruslan pode transportar cargas de até 150 toneladas.

"É possível entrar em acordo entre as partes sobre a retomada da produção em qualquer nível. Mas a verdadeira recuperação da produção depende de contrato firmado para a compra da aeronave. Com isso podem surgir problemas”, disse o chefe do Serviço Analítico da Agência AviaPort, Oleg Panteleev, para o jornal “Vzgliad”.

O analista aponta que o custo da aeronave, como estimado há alguns anos, é hoje extremamente baixo, considerando todos os custos da retomada da produção, procura de fornecedores de peças e componentes etc.

"O Estado, representado pelo Ministério da Defesa, poderia, teoricamente, arcar com quaisquer despesas se necessário. Porém, não se deve contar com o fato de que o orçamento irá financiar a retomada da produção na sua totalidade. E as empresas privadas certamente não poderão fazê-lo", aponta o especialista.

“No programa de armamento do Estado está formalmente prevista uma renovação de aeronaves Ruslan. Mas até 2018, a aposta é colocada na realização de completa recuperação das máquinas existentes.”

Segundo Panteleev, existe na base aérea perto de Briansk um certo número de aeronaves Ruslan em condições de voar.

Com respeito às companhias aéreas comerciais, as operadoras não podem se permitir um aumento perceptível no custo da hora de voo no momento, em decorrência do aumento do custo dos aviões Ruslan e, por conseguinte, são incapazes de adquirir estes aviões, explica a fonte.

“O mercado global destas aeronaves existe, porém este produto é sensível à política. A Rússia, provavelmente, poderia concordar em fornecer esta aeronave para a Índia, mas seria pouco provável que concordasse em fornecê-lo, por exemplo, para a China. E para a maioria dos países essas aeronaves nem são necessárias", acrescenta Panteleev.

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.