Fundo do rio Volga pode abrigar cemitério de mamutes, dizem cientistas

Rio Volga nos arredores da cidade Uliánovsk Foto: wikipedia.org

Rio Volga nos arredores da cidade Uliánovsk Foto: wikipedia.org

Achados tem ocorrido em diferentes partes da região de Volgogrado. Em janeiro, salva-vidas encontraram parte de ossos de mamute no fundo do rio perto da região central da cidade.

As águas do rio Volga podem ocultar um enorme cemitério de mamutes, afirmaram cientistas após notícias cada vez mais frequentes de achados de ossadas do animal pré-histórico terem surgido nos últimos tempos.

Em excelentes condições, as ossadas encontradas são de grande interesse para paleontologistas.

“A primeira ideia que me veio à cabeça foi de que se tratava de uma tora de madeira”, conta Andrêi Tatarov, um dos mergulhadores que descobriu os ossos dos animais por acaso.  

Os fragmentos do esqueleto –presa e cúbito– estavam a uma profundidade de 15 metros. Paleontólogos do Museu de Ecologia da Evolução e Arqueologia de Volgogrado, os primeiros a examinar os ossos, verificaram que os restos pertenciam a um mamute adulto e a um filhote. Segundo os especialistas, os animais provavelmente se afogaram quando tentavam atravessar o rio.

Achados como este tem ocorrido em diferentes partes da região de Volgogrado. Em janeiro, salva-vidas encontraram parte de ossos de mamute no fundo do rio perto da região central da cidade. Mergulhadores encontraram as ossadas casualmente durante um treinamento e as levaram para a margem.

“Este achado, em específico, pode ser especial. Supõe-se que os ossos podem pertencer a um animal sem pelos. Neste caso, pode se tratar de um animal ainda mais antigo, antecessor do mamute –o mamute-da-estepe (Mammuthus trogontherii)”, explica o paleontólogo da Academia de Ciências da Rússia Evguêni Maschenko.

“O mamute-da-estepe, que não era coberto de tantos pelos como o mamute comum, nunca foi visto. E nunca encontraram seus corpos congelados, diferentemente dos mamutes.”

Em breve, os cientistas esperam fazer uma expedição maior ao local.

 


Publicado originalmente pela Voz da Rússia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.