Exposição internacional apresentou destaques da indústria naval russa

Primeiro teste de lançamento do míssil supersônico russo-indiano BrahMos deve acontecer em 2014 Foto: Natália Pietra/RG

Primeiro teste de lançamento do míssil supersônico russo-indiano BrahMos deve acontecer em 2014 Foto: Natália Pietra/RG

A 6ª Mostra Internacional de Defesa Marítima, em São Petersburgo, revelou uma forte demanda por empresas da indústria naval da Rússia e o elevado status do evento. Nos últimos dias da programação, foram apresentados os detalhes do projeto do míssil supersônico BrahMos e os prazos para a adoção dos submarinos nucleares do tipo Borei pela Marinha russa.

No domingo passado (7), chegou ao fim a 6ª Mostra Internacional de Defesa Marítima, em São Petersburgo. O evento de cinco dias já se consolidou entre as maiores três exposições internacionais de armamentos navais e equipamento militar.

O diretor-geral da exposição, Mikhail Zolotarev, informou que neste ano o evento contou com 457 empresas de 31 países. Somente no departamento de demonstração junto ao cais da Estação Marítima e nas águas circundantes estavam expostos 36 navios, lanchas e embarcações da frota marítima do Serviço de Guarda de Fronteira do Serviço Federal de Segurança da Rússia e das demais empresas participantes.

Durante a realização do salão, foram revelados os detalhes do projeto do míssil supersônico russo-indiano “BrahMos” e os prazos para a adoção dos submarinos nucleares do tipo “Borei” pela Marinha russa.

BrahMos

O BrahMos foi projetado para destruir uma vasta gama de alvos marítimos. É caracterizado pelo grande alcance do voo (até 290 km), velocidade supersônico e uma poderosa carga de combate (até 250 kg), bem como baixo índice de detecção por radares. Nesse míssil foi concretizado o princípio “atirou, esqueça” – ele próprio encontra o alvo. Pela avaliação dos especialistas, ainda não existe no mundo um míssil análogo que tenha tamanha velocidade supersônica e semelhante alcance de voo.

O primeiro teste de lançamento desse míssil a bordo da aeronave indiana Su-30MKI deve acontecer em 2014. Sivathanu Pillay, diretor-executivo da empresa responsável, “BrahMos aerospace”, diz que o míssil lançado do ar será um pouco diferente das outras versões, já que a própria plataforma, o Su-30MKI, se move a velocidades supersônicas e, dessa forma, elimina a necessidade de acelerar o míssil até uma velocidade similar. Já há contratos assinados para o fornecimento de pouco menos de mil modelos.

Paralelamente, os construtores navais russos anunciaram o cumprimento das obrigações conforme os termos do contrato para a construção do primeiro porta-helicóptero do tipo “Mistral”, que será utilizado pela Marinha russa.

A popa do navio, que abrigará o porta-helicóptero “Vladivostok”, já foi enviada para a França, e daqui a duas semanas deve chegar em Saint-Nazaire, local da construção final do navio. O porta-helicópteros será colocado na água em outubro deste ano. Depois disso, o navio será levado de volta à Rússia e passará por adaptações que correspondem às exigências da Marinha russa. Pelo plano, o produto final irá compor a frota no outono de 2014. Também já foi iniciada a construção do corpo do segundo navio deste tipo, o “Sevastopol”.

Fontes sugerem que a Rússia pode propor para a França o fornecimento dos helicópteros Ka-52K Alligator para equipar o terceiro e o quarto porta-helicópteros do tipo Mistral. “Como o helicóptero ainda está sendo criado, a ‘adaptação marinha’ do Alligator irá surgir apenas em 2014”, afirmou o diretor-executivo da Kamov, Serguêi Mikheev.

O Ka-52K Alligator, que está servindo de base para criar uma versão marítima do helicóptero de combate Ka-52K, também foi apresentado no salão naval pela holding Russian Helicopters. Acredita-se que, no futuro, o Ka-52K será o modelo básico de helicóptero para a Marinha russa.

Submarino "Borei"

Os submarinos do projeto 955 “Borei” de quarta geração podem transportar até 16 dos mais recentes mísseis balísticos intercontinentais, com combustível sólido e alcance de voo de mais de 10 mil quilômetros. São equipados com unidades de ogivas separáveis e de orientação individual.

No evento também foi divulgado que o cruzador submarino estratégico de propulsão nuclear com mísseis balísticos “Alexander Nevsky”, do projeto 955 “Borei”, será entregue para a Marinha russa em 15 de novembro. Segundo o diretor-geral da empresa Sevmash, Mikhail Bidnitchenko, Em paralelo, há dois submarinos dessa classe em construção, um dos quais (“Vladímir Monomakh”) será entregue à Marinha no final deste ano.

A Sevmash também está trabalhando ativamente para construir sete submarinos multialvos de propulsão nuclear do tipo Ash. Todos os sete barcos devem ser entregues antes de 2020.

Respeito do prazo

A Rússia retomou o projeto da central nuclear flutuante “Akademik Lomonosov”, que está sendo construída no estaleiro Báltico, em São Petersburgo.

“Temos um contrato de quatro anos e devemos entregá-la em setembro de 2016”, especificou o diretor-executivo da empresa, Aleksandr Voznesenski. “Durante quase dois anos, não havia quase nenhum trabalho”, admitiu Voznesenski. “Agora estamos no período de adaptação, compramos os equipamentos e os materiais. Em breve, vamos instalar os reatores.”

O contrato para conclusão da usina nuclear flutuante de Pates foi assinado pelo estaleiro Báltico e a Rosenergoatom Concern, em dezembro de 2012.

Voznesenski contou no estaleiro também está sendo construído o navio quebra-gelo nuclear, projeto 22220, com capacidade de 60 megawatts, bem como o navio quebra-gelo diesel-elétrico “Viktor Chernomyrdin", com capacidade de 25 megawatts. A construção desse navio quebra-gelo foi iniciada em outubro de 2012 e ele deve ser entregue ao comprador em 2015.

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.